Governo vai adquirir 4,5 mil pluviômetros e estuda parceria com empresas de telefonia, diz ministro

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante, fala, durante entrevista ao primeiro programa Bom Dia, Ministro de 2012, sobre as políticas do governo brasileiro para a área, que incluem o programa Ciência sem Fronteiras. Foto: Elza Fiúza/ABr

bom dia, Ministro Prestadoras de serviços de telecomunicações poderão participar do sistema de alerta de desastres naturais com a instalação de pluviômetros automáticos nas torres de comunicação. Segundo o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante, que participou hoje (5) do programa Bom Dia, Ministro, uma reunião com as empresas já está marcada para o início da próxima semana. Ele antecipou, ainda, que o governo irá comprar 4,5 mil pluviômetros, sendo 1,5 mil automáticos.

“Esse pluviômetro, que é automatizado, precisa de fibra ótica e energia para receber a informação, imediatamente, no Centro de Monitoramento. Aí, você pode dar um alerta muito preciso e muito localizado para aquela comunidade. E como elas [as torres de comunicações] estão em morros estratégicos, nos grandes centros urbanos, nós poderíamos, rapidamente, melhorar muito a nossa rede de pluviômetros e a nossa capacidade de análise.”

Aloizio Mercadante falou também sobre a importância do envolvimento da sociedade na prevenção de desastres naturais e lembrou que graças à sistemática de alerta adotada pelo governo o número de vítimas diminuiu significativamente neste verão.

“O Brasil precisa entender que nós precisamos criar uma cultura de prevenção. E nós esperamos, no futuro, inclusive, ter uma articulação melhor com a Abert, com as rádios, com o sistema de comunicação, para nos ajudar. Para ajudar, também, na mobilização, como acontece no caso de furacão, vulcão, de outros países, que o sistema de comunicação está integrado ao sistema de alerta e prevenção”, salientou.

Bolsas de estudo no exterior – No programa, Aloizio Mercadante fez um balanço do programa Ciência sem Fronteiras, lançado pela presidenta Dilma Rousseff com o objetivo de ofertar 75 mil bolsas de estudo no exterior. Nos últimos dois dias – segundo o ministro – o portal do programa registrou mais de sete milhões de acessos e os primeiros 1,5 mil bolsistas seguiram para universidades nos Estados Unidos. Em 2012, a meta é conceder cerca de 15 mil novas bolsas, completou.

“O Ciência sem Fronteiras é um sucesso espetacular. Nos Estados Unidos, nós estamos negociando 18 mil bolsas para esses próximos três anos. Na França, 10 mil bolsas; na Inglaterra, 10,2 mil; na Alemanha, 10 mil; na Itália, 6 mil. E, agora, esse novo edital que nós estamos fazendo, que tem 12 mil inscritos, são para estes países: Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha e Itália.”

Ouça aqui a íntegra do programa Bom Dia, Ministro.

Artigos relacionados

  • Com Ciência sem Fronteiras, Brasil dará um salto na formação de inteligência estratégica, diz ministro
  • Ciência sem Fronteiras: “Os melhores alunos do Brasil, nas melhores universidades do mundo”, diz ministro
  • Ciência sem Fronteiras tem mais 500 bolsas de estudo para universidades tecnológicas do Canadá



Leia Também:
Anterior:

Próxima: