Publicidade

Em corrida cheia de alternativas, Power vence pela 3ª vez. Australiano é o líder do campeonato com 45 pontos de vantagem sobre Castroneves, que foi o melhor brasileiro, na quarta posição

Três corridas, três vezes Will Power. Se havia alguma dúvida, o australiano confirmou novamente neste domingo (29) que é o “rei” da Fórmula Indy no Brasil. O piloto australiano da Penske apresentou um desempenho impecável. Depois de largar da pole, manteve a liderança sempre que teve condições e fugiu das várias situações que perigo que marcaram a corrida. Ao cruzar a linha de chegada, conquistou sua 16ª vitória na categoria, 15 delas em pistas mistas, sendo dez em circuitos de rua, como o do Anhembi. Entre os brasileiros, Helio Castroneves terminou em quarto, Rubens Barrichello chegou em décimo, Tony Kanaan foi 13º e Bia Figueiredo finalizou a corrida no 20º lugar.

Power lidera o campeonato da Indy com 180 pontos, 45 a mais do que Castroneves, segundo colocado. A fórmula para o sucesso do australiano no Brasil é simples, segundo o próprio piloto: “Cada corrida foi diferente, ano a ano. Você precisa de um pouco de sorte, uma boa estratégia e não cometer erros. É assim que se ganha uma corrida”, resumiu, mas sempre valorizando a atuação dos concorrentes: “Eu tive que andar no limite o tempo todo, nunca estive seguro ou no domínio da situação”.

Ryan Hunter-Reay foi o segundo colocado: “É ótimo estar no Brasil, a gente adora vir aqui, é um evento fantástico, um dos melhores do ano. Eu dei o meu máximo hoje na corrida, mas o Will é muito forte aqui. Nunca tive alguma chance para ultrapassá-lo. Mas lutamos pela vitória, estamos felizes com o resultado e fizemos um bom show para a torcida. Isso é o que importa”, afirmou.

A surpresa apareceu na terceira posição: saindo do 25º lugar, Takuma Sato conquistou 22 postos e completou o pódio na capital paulista. “O Brasil é um lugar especial para nós. No ano passado, cheguei a liderar, mas não deu certo no fim. Hoje, começamos atrás, mas nos recuperamos. Não tínhamos a mesma velocidade dos dois primeiros, mas foi um grande resultado”, comentou.

Outro que largou lá atrás, em 18º, Helio Castroneves procurou uma estratégia mais ousada, sendo o primeiro a parar nos boxes e esperando as bandeiras amarelas. Foi recompensado com a quarta posição, terminando como o melhor brasileiro.

A corrida

A ameaça de chuva durante a prova não se concretizou no horário da largada. “Foi uma boa surpresa, que nos trouxe uma ótima corrida”, falou o norte-americano Ryan Hunter-Reay. Pontualmente às 12h30, os pilotos receberam a bandeira verde, dada pela apresentadora Sabrina Sato, e iniciaram a disputa nas ruas de São Paulo.

O começo foi a fase mais tranquila da prova, mas muitas emoções marcariam a corrida. Power e Dario Franchitti inicialmente se desgarraram do pelotão de trás e passaram a fazer uma prova paralela à de seus adversários. O australiano mantinha uma leve vantagem sobre o escocês, que o perseguia sempre mostrando potencial para desafiar o líder.

A suposta fala de Power – que depois confessou ter “andado sempre no limite” – terminou assim que surgiu a primeira bandeira amarela, provocada por uma batida de Ryan Briscoe, na 22ª volta. Com isso, os carros se reagruparam atrás do pace car e se prepararam para a relargada, ocorrida quatro giros depois.

No reinício, Dario Franchitti ficou no prejuízo. O escocês rodou e ficou atravessado no Esse do Samba, graças a um toque de Mike Conway na traseira do carro do tetracampeão da Indy. Esse incidente causou uma nova bandeira amarela. Franchitti voltou para a pista na última posição.

Nesse momento da corrida, o cenário era muito bom para os brasileiros. Castroneves era o quarto; Barrichello, quinto; Kanaan, sexto; Bia andava em oitavo. Essas posições mudaram após a nova relargada, com o avanço de Kanaan, que conquistou dois postos e passou ser o quarto. Logo após o reinício, nova confusão e mais uma bandeira amarela.

A nova relargada aconteceu na 33ª volta. Nesse momento, os quatro brasileiros continuavam entre os dez primeiros, mas a situação ainda iria mudar muito, já que cada um tinha uma estratégia diferente para os pit-stops. Por causa disso, Castroneves chegou a liderar, Barrichello foi o terceiro, Kanaan, o quarto, e Bia apareceu em sexto. Porém, de todos, apenas Helinho conseguiu se manter entre os primeiros colocados.

Faltando 13 voltas para o fim da corrida, Josef Newgarden e Ed Carpenter bateram em pontos diferentes do circuito, e a quarta bandeira amarela da prova foi acionada. Nesse momento, Power liderava, seguido por Hunter-Reay, Franchitti – em grande corrida de recuperação -, Castroneves e o surpreendente Sato, aliando arrojo nas ultrapassagens com as paradas nos momentos certos. “Não teríamos o mesmo resultado se não fossem as bandeiras amarelas”, admitiu o japonês.

A bandeira verde apareceu restando nove voltas e, nessa relargada, Sato aproveitou os vacilos de Franchitti e de Castroneves para conquistar a terceira posição. Nesse instante, ocorreu o lance que praticamente definiu o resultado. Oito carros – incluindo os de Kanaan e Bia – se envolveram em um grande acidente, praticamente bloqueando a passagem do Esse do Samba.

O enrosco provocou mais uma bandeira amarela. A seguir, já com todos os carros de volta à disputa, a prova foi reiniciada faltando quatro voltas para o fim. Daí em diante, sem confusões, a classificação se manteve a mesma, e Power confirmou seu reinado na capital paulista.

“Foi uma corrida difícil e tive de dar tudo o que tinha para conseguir essa vitória”, admitiu o australiano. “Mas, no geral, tivemos um desempenho muito consistente. Nossa estratégia foi boa e o carro também era rápido. A equipe foi eficiente no trabalho de box e acho que a soma de tudo isso foi uma corrida difícil na qual sempre estivemos competitivos”, resumiu o australiano.

Após a Itaipava São Paulo Indy 300 Nestlé, a próxima prova da temporada da Fórmula Indy é a tradicional 500 Milhas de Indianápolis, no dia 27 de maio.

Resultado final da Itaipava São Paulo Indy 300 Nestlé:
1º. Will Power (AUS/Penske-Chevrolet), 75 voltas
2º. Ryan Hunter-Reay (EUA/Andretti-Chevrolet), a 0s904
3º. Takuma Sato (JAP/Rahal Letterman-Honda), a 2s390
4º. Hélio Castroneves (BRA/Penske-Chevrolet), a 4s548
5º. Dario Franchitti (ESC/Chip Ganassi-Honda), a 5s172
6º. James Hinchcliffe (CAN/Andretti-Chevrolet), a 6s261
7º. J. R. Hildebrand (EUA/Panther-Chevrolet), a 8s376
8º. Charlie Kimball (EUA/Chip Ganassi-Honda), a 8s590
9º. Ernesto Viso (VEN/KV-Chevrolet), a 10s344
10º. Rubens Barrichello (BRA/KV-Chevrolet), a 10s847
11º. Oriol Servià (ESP/Dreyer & Reinbold-Lotus), a 24s477
12º. Simon Pagenaud (FRA/Schmidt Hamilton-Honda), a 1 volta
13º. Tony Kanaan (BRA/KV-Chevrolet), a 1 volta
14º. Marco Andretti (EUA/Andretti-Chevrolet), a 1 volta
15º. James Jakes (ING/Dale Coyne-Honda), a 1 volta
16º. Graham Rahal (EUA/Chip Ganassi-Honda), a 1 volta
17º. Scott Dixon (NZL/Chip Ganassi-Honda), a 1 volta
18º. Sébastien Bourdais (FRA/Dragon-Lotus), a 1 volta
19º. Mike Conway (ING/A. J. Foyt-Honda), a 2 voltas
20º. Bia Figueiredo (BRA/Andretti-Chevrolet), a 3 voltas
21º. Ed Carpenter (EUA/Carpenter-Chevrolet), a 3 voltas

Não completaram:
Justin Wilson (ING/Dale Coyne-Honda)
Josef Newgarden (EUA/Fisher Hartman-Honda)
Simona de Silvestro (SUI/HVM-Lotus)
Ryan Briscoe (AUS/Penske-Chevrolet)
Katherine Legge (ING/Dragon-Lotus)

Confira a classificação da Izod Indycar Series após quatro etapas:
1 Will Power (AUS/Penske-Chevrolet) – 180 pontos
2) Helio Castroneves (BRA/Penske-Chevrolet) – 135
3) James Hinchcliffe (CAN/Andretti-Chevrolet) – 123
4) Ryan Hunter-Reay (EUA/Andretti-Chevrolet) – 121
5) Simon Pagenaud (FRA/Schmidt-Hamilton-Honda) – 118
6) Scott Dixon (NZL/Ganassi-Honda) – 109
7) Takuma Sato (JPN/Rahal-Letterman-Laningan-Honda) – 83
8) Ryan Briscoe (AUS/Penske-Chevrolet) – 83
9) JR Hildebrand (EUA/Panther-Chevrolet) – 83
10) Dario Franchitti (ESC/Ganassi-Honda) – 82
11) Rubens Barrichello (BRA/KV-Chevrolet) – 79
12) Graham Rahal (EUA/SC-Ganassi-Honda) – 76
13) EJ Viso (VEN/KV-Chevrolet) – 76
14) Tony Kanaan (BRA/KV-Chevrolet) – 71
15) Charlie Kimball (GBR/NN-Ganassi-Honda) – 68
16) Justin Wilson (GBR/Dale Coyne-Honda) – 64
17) Oriol Servia (ESP/Dreyer Reinbold-Lotus) – 64
18) Mike Conway (GBR/AJ Foyt-Honda) – 62
19) Marco Andretti (EUA/Andretti-Chevrolet) – 61
20) Sebastien Bourdais (FRA/Dragon-Lotus) – 59
21) James Jakes (GBR/Dale Coyne-Honda) – 58
22) Josef Newgarden (EUA/Fisher-Hartman-Honda) – 54
23) Ed Carpenter (EUA/Ed Carpenter-Chevrolet) – 52
24) Simona de Silvestro (SUI/HVM-Lotus) – 48
25) Katherine Legge (GBR/Dragon-Lotus) – 46
26) Alex Tagliani (CAN/Barracuda-Lotus) – 37


Publicidade


Leia Também:
Anterior:

Próxima:

Publicidade