Publicidade

Randon divulga resultados do terceiro trimestre

A Randon S.A Implementos e Participações registrou no terceiro trimestre deste ano o início do processo de recuperação de margens, a consolidação da estabilização do novo ERP, a retomada da produção de vagões e o fortalecimento da participação de mercado da Companhia na divisão de veículos rebocados. “Confiamos na economia doméstica brasileira e entendemos que o trimestre julho/setembro será um ponto de inflexão para um final de ano de intensa atividade”, comentou o diretor corporativo e de relações com investidores, Astor Milton Schmitt, lembrando que mesmo lenta, a recuperação ajudou a elevar o nível de utilização da capacidade instalada e seus efeitos só não foram maiores em função da redução da taxa de juros aplicada no programa Finame PSI para 2,5% ao ano.

A empresa encerrou o 3T12 com uma receita líquida consolidada de R$ 877,5 milhões no trimestre, 18,0% menor que a do terceiro trimestre de 2011. A receita bruta total, incluindo as vendas entre empresas, somou R$ 1,3 bilhão no terceiro trimestre de 2012 ou 18,7% de queda em relação ao mesmo período de 2011. O EBITDA consolidado atingiu R$ 79,4 milhões no terceiro trimestre de 2012 e margem EBITDA de 9,1%, representando uma queda de 3,6 pontos percentuais em relação ao terceiro trimestre de 2011. O lucro líquido consolidado de R$ 12,9 milhões foi 79,5% menor se comparado ao mesmo período de 2011. Estes indicadores, quando comparados com a performance do 2T12 mostram evolução e validam um ritmo de atividade mais intenso no segundo semestre.

As exportações no 3T12 totalizaram US$ 73,3 milhões, estáveis quando comparada com o terceiro trimestre de 2011 e representaram 15,4% da receita líquida consolidada dos 9M12 contra 10,8% no mesmo período de 2011. No comparativo dos nove meses houve um crescimento de vendas para os mercados da América do Sul não pertencentes ao bloco Mercosul/Chile e no continente africano, em detrimentos ao mercados tradicionais como Nafta, Mercosul e Chile.

  3T2012 3T2011 D% 9M2012 9M2011 D%
Receita Bruta Total (*) 1.346.086 1.654.953 -18,7% 3.838.865 4.778.675 -19,7%
Mercado Interno 1.196.897 1.531.387 -21,8% 3.454.862 4.442.515 -22,2%
Mercado Externo 149.189 123.566 20,7% 384.003 336.160 14,2%
Mercado Externo em US$ 73.305 75.649 -3,1% 198.656 205.852 -3,5%
Receita Liquida Consolidada 877.498 1.070.332 -18,0% 2.496.204 3.122.312 -20,1%
Lucro Bruto Consolidado 191.440 260.422 -26,5% 534.598 789.965 -32,3%
Margem Bruta (%) 21,8% 24,3% -2,5 p.p. 21,4% 25,3% -3,9 p.p.
Lucro Líquido Consolidado 12.925 62.948 -79,5% 26.994 218.909 -87,7%
Margem Líquida (%) 1,5% 5,9% -4,4 p.p. 1,1% 7,0% -5,9 p.p.
EBITDA Consolidado 79.419 136.049 -41,6% 213.143 451.722 -52,8%
Margem EBITDA (%) 9,1% 12,7% -3,7 p.p. 8,5% 14,5% -5,9 p.p.
(*) Sem eliminação das vendas entre empresas.

Desempenho por setor

Veículos e Implementos- A Randon registrou queda de 16,5% no volume físico de unidades de veículos rebocado no 3T12 em comparação ao 3T11, bem como queda de 19,8% no volume acumulado nos 9M12 contra mesmo período do ano passado. Experimentando retomada do número de novos pedidos, a Companhia centrou sua dinâmica comercial na recuperação de margens e oportunidades de ganhos de eficiência e produtividade, buscando também reduzir seus níveis de estoques de produtos prontos, acumulados em função da implantação do novo ERP no 1T12 e múltiplas alterações das taxas de juros para financiamento de seus produtos ao longo do 1S12. Como destaque deste segmento, a Companhia salienta o fortalecimento de sua posição de liderança, com 32,2% de market share no período.

Vagões Ferroviários -O3T12 marca a retomada da fabricação de vagões, quase nula no 2T12, com crescimento significativo de 41,2% sobre mesmo trimestre de 2011. As linhas de vagões, conquanto possam ser readaptadas para fabricação de implementos rodoviários, contribuem de forma importante à eficiência fabril, melhorando o perfil de resultados da divisão de Implementos e Veículos, ajudando a diluir custos fixos e aproveitamento de ganhos de escala. Mantido o ritmo de produção de vagões, a atual carteira de pedidos suporta níveis de faturamento similares ao verificado no 3T12 até o 2T13. A Companhia ainda entende que as expectativas para o setor são positivas para os próximos trimestres e acredita na manutenção do backlog em patamares saudáveis.

Veículos Especiais – O setor continua mostrando evolução contra o mesmo período do ano anterior. Graças ao Pac Equipamentos, as perspectivas mantêm-se positivas, e, enquanto aguarda-se a licitação de 3.500 retroescavadeiras, anunciadas em 27/06/2012, a Companhia acresce e passa a fabricar ordem de 132 novos equipamentos que se somam a pedido já entregue à União ao longo do 1S12.

Autopeças – A divisão de Autopeças ainda experimenta o impacto da acumulação de estoques de caminhões gerados a partir da transição da motorização do modelo EURO III para EURO V. O mercado de caminhões continua mostrando forte contração, tendo confirmado queda de 39,9% na produção e 22,0% em vendas no acumulado dos 9M12 contra 9M11. Os estímulos em vigor contribuirão para um ensaio de melhora ainda no próximo trimestre, marcando a retomada também deste mercado, como já verificado em veículos rebocados. Além dos incentivos, o reaquecimento da atividade econômica no país, bem como a pujança dos setores agrícola e de serviços deve contribuir para a estabilização da produção e aumento de vendas de caminhões.


Publicidade


Leia Também:
Anterior:

Próxima:

Publicidade