Publicidade

Itens ignorados da suspensão de veículos pesados são imprescindíveis para a segurança. Partes da suspensão como buchas e coxins isolam movimentos vibratórios e sustentam outros componentes. Degastados, oferecem riscos

Ao contrário do que muitos motoristas pensam, veículos pesados exigem o perfeito funcionamento da suspensão. Peças pequenas, às vezes esquecidas pelos condutores na hora da revisão, como buchas e coxins à base de metal e borracha, transmitem movimentos compensatórios entre itens da suspensão, proporcionando melhor dirigibilidade, conforto e estabilidade. Apesar de sua importância, alguns motoristas ignoram a necessidade das peças em bom estado. Pensando nisso, a Monroe Axios, líder na produção de borrachas e componentes para suspensão, alerta para a condição adequada destes itens e revela os riscos, caso estejam desgastados.

De acordo com Juliano Caretta, coordenador de Treinamento Técnico da Monroe Axios, a segurança veicular é resultado do trabalho eficiente de vários componentes da suspensão. “O conjunto tem a função de isolar os movimentos vibratórios, e sustentar outros componentes durante a movimentação da suspensão”, afirma.

Apesar de parecerem invisíveis, as buchas e coxins fazem parte do conjunto da suspensão, fixando ou sustentando outras peças para que desenvolvam seu trabalho da melhor maneira possível, sobretudo nos veículos pesados. No sistema, emprega-se a concepção de que uma peça depende da outra. “De nada adianta instalar um componente novo, se as outras peças não estiverem em boas condições de uso. Desta maneira, é essencial que todas as peças sejam revisadas periodicamente e substituídas, quando necessário”, alerta o especialista.

Ruídos, solavancos, movimentação excessiva da suspensão, redução do conforto na cabine, aumento na distância de frenagem e dificuldade na dirigibilidade, principalmente nas curvas e pistas irregulares, são alguns sinais de que os componentes estão desgastados. Visualmente, os desgastes são identificados pela estrutura torta ou empenada, coifa rasgada e fixações com folga, entre outras características. “É recomendável levar o veículo a uma loja ou oficina de confiança para uma revisão completa dos componentes de suspensão”, recomenda Caretta.

Para garantir total eficiência da suspensão, a Monroe Axios orienta realizar as revisões periódicas em todo conjunto da suspensão no máximo a cada 10.000 quilômetros, quando perceber qualquer problema ou, ainda, conforme especificações do fabricante. Se constatado defeitos na peça, a substituição deverá ser realizada imediatamente.

Vale ressaltar também que peças recondicionadas ou remanufaturadas oferecem riscos de acidentes, pois são reaproveitadas e com tempo excessivo de uso. Em casos de dúvidas para revisão ou troca, o serviço de relacionamento com o cliente Monroe Resolve – 0800 166 004 – indica as revendas credenciadas ao consumidor final, assegurando a qualidade do atendimento e a procedência dos componentes.


Publicidade


Leia Também:
Anterior:

Próxima:

Publicidade