Publicidade

Fábrica da Volkswagen em São Carlos inicia produção do propulsor 1.6 e registra a produção de 8,5 milhões de motores produzidos

Inaugurada em 1996, a fábrica da Volkswagen do Brasil em São Carlos acaba de produzir seu motor de número 8.500.000. O propulsor em questão é, justamente, o mais novo integrante da marca no País: o motor 1.6l de quatro cilindros e 16 válvulas que equipa os modelos Gol Rallye e Saveiro Cross da linha 2015. Esse motor faz parte da mesma família de motores 1.0l que equipa outro recente lançamento da Volkswagen: o up!.

Para produzir a nova geração de motores 1.0l e 1.6l, a fábrica de São Carlos ganhou um novo prédio produtivo em 2013, fruto de investimento de R$ 335 milhões.

Em uma área total de 28,9 mil m², o novo prédio e processo produtivo contam com moderna tecnologia e foco em qualidade e sustentabilidade, que proporcionam maior eficiência na produção, reduções no consumo de recursos naturais e maior eficiência na reciclagem de resíduos.

“A implementação desse projeto em São Carlos possibilitou produzir o motor mais tecnológico que temos hoje no mercado. O prédio apresenta grande destaque no que diz respeito a sustentabilidade, visando a redução de impacto ambiental, desde sua estrutura até seus processos produtivos”, disse Celso Placeres, diretor de Engenharia de Manufatura da Volkswagen do Brasil.

O espaço é composto por um prédio produtivo com uma linha de usinagem de blocos, uma linha de usinagem e montagem de cabeçotes e uma linha de montagem de motores, contendo as mais modernas tecnologias disponíveis no mercado global.

O transporte dos motores para as demais unidades da Volkswagen do Brasil é otimizado com a utlização de “rodotrens”, caminhões com duas carretas, que permite o aumento da capacidade de transporte em mais de 60%, reduzindo o impacto ambiental com a emissão de poluentes em mais de 43%.

“Com o lançamento do motor 1.6l de quatro cilindros e 16 válvulas, São Carlos torna-se ainda mais estratégica para as operações da Volkswagen na América Latina, aliando tecnologias modernas com ganho em produtividade. Demos início a uma nova fase para a fábrica de São Carlos e para a Volkswagen do Brasil, rumo a mais uma história de sucesso no mercado brasileiro”, disse Andreas Hemmann, gerente executivo da unidade de São Carlos.

Sustentabilidade

O layout do novo prédio foi projetado para aproveitar a iluminação natural por meio do uso de telhas translúcidas, reduzindo o consumo de energia elétrica para iluminação, e do espaçamento maior entre as colunas de sustentação. A sustentabilidade também está presente nas linhas de usinagem, processo responsável pela transformação da peça bruta em peça acabada. Altamente modernas, contam com o sistema MQL (Mínima Quantidade de Líquido), reduzindo drasticamente o consumo de óleo refrigerante.

Esse sistema utiliza em média 50 ml por hora de emulsão oleosa, o que reduz em oitenta vezes o seu consumo na etapa de usinagem, quando comparado ao sistema usual. Nesse processo, o cavaco (pedaços de material de peça bruta removidos para obter as dimensões finais) é seco e aspirado a vácuo para uma central, onde é prensado em peças para a reciclagem.

As máquinas das linhas de usinagem e montagem possuem alta tecnologia, com a utilização de motores elétricos de última geração, o que também permite redução no consumo de recursos naturais. A etapa de montagem é integrada e possibilita a produção de motores parciais e completos na mesma linha, ao contrário do sistema atual, que conta com uma linha para motores parciais e outra para completos.

O destaque nesse processo é a rastreabilidade dos componentes mais importantes do motor e do mecanismo do torque. Ela permite identificar separadamente todo o processo ao qual cada componente foi submetido; e em determinados pontos da linha é possível visualizar, por meio de um painel eletrônico, um relatório completo com as informações de cada motor.

O teste a frio dos motores, denominado Kalt Test, já realizado na fábrica desde 1998, também é diferenciado no novo prédio. Ele evoluiu de um equipamento para a mesma análise para dois equipamentos, sendo um responsável pelos testes elétricos e outro pelos mecânicos. Realizado em 100% dos motores, o Kalt Test monitora características como sincronismo, ruído, ignição, aspiração, escape, torque e lubrificação.

Esses equipamentos garantem os mais rigorosos critérios de aprovação do motor. Além disso, o teste é realizado sem a utilização de combustível, o que proporciona redução no uso de recursos naturais.

Com alta tecnologia e destaque para performance e baixo consumo, o novo prédio atende aos rigorosos padrões de qualidade do Grupo Volkswagen. Para isso, ele é totalmente vedado, com duas antecâmaras nos locais de acesso e tapetes para manter a limpeza dos pneus dos rebocadores, evitando contaminação por agentes externos. A entrada dos funcionários é feita por meio de uma terceira antecâmara, também para evitar contaminações.

O prédio possui pressão positiva, realizada por meio de insulfladores de ar, responsáveis pela ventilação, com o objetivo de manter um fluxo contínuo de ar do interior para fora, a fim de barrar a entrada de resíduos. Essa ventilação é capaz de filtrar partículas muito pequenas de ar e mantê-lo sempre limpo. O ar é renovado 11 vezes por hora.

Motor 1.6l MSI de quatro cilindros

A nova geração de motores 1.6l MSI foi desenvolvida segundo critérios de maior eficiência energética e maior performance. Optou-se pela configuração de quatro cilindros e 16 válvulas (4 válvulas por cilindro). Para assegurar seu desempenho, foi realizado intenso trabalho na redução de atrito dos componentes do motor e na aplicação de recursos tecnológicos inéditos nessa faixa de cilindrada no mercado brasileiro.

O motor possui bloco e cabeçote feitos de alumínio, o que colabora para reduzir o peso do conjunto. Comparado a um motor de mesma cilindrada com bloco em ferro fundido, o novo EA211 é 15 kg mais leve.

Com 1.598 cm³ de cilindrada e instalado em posição transversal no Gol Rallye e na Saveiro Cross, o novo motor 1.6l MSI é Total Flex, capaz de rodar com gasolina, etanol ou a mistura dos dois combustíveis em qualquer proporção. Sua potência máxima é de 120 cv (88 kW) a 5.750 rpm, quando abastecido com etanol (E100), e de 110 cv (81 kW) à mesma rotação, com gasolina (E22).

O torque máximo é de 16,8 kgfm (165 Nm) com etanol e 15,8 kgfm (155 Nm) com gasolina, ambos a 4.000 rpm. Já a partir de 2.000 rpm mais de 85% do torque máximo está disponível. Essa ampla faixa de distribuição do torque melhora o desempenho em baixos regimes (por exemplo, em cidade) e dá ótimo fôlego para retomadas de velocidade.

Com quatro válvulas por cilindro, sendo duas para admissão e duas para escape, o cabeçote do novo motor 1.6 MSI tem comando de válvulas de admissão variável – a variação é contínua, com 50º de liberdade, o que permite melhor posição de enchimento dos cilindros. Essa tecnologia reduz o consumo de combustível e as emissões, além de melhorar sensivelmente a resposta do motor em baixos regimes de rotação.

O novo motor 1.6l MSI utiliza o sistema de partida a frio que dispensa a utilização do tanque auxiliar para gasolina. Evolução do sistema introduzido no Brasil de forma pioneira pela Volkswagen no Polo E-Flex, em 2009, o sistema aplicado no motor que equipa o Gol Rallye e a Saveiro Cross, na linha 2015, utiliza galeria de injeção feita de material polimérico, que aprimora a eficiência do conjunto.


Publicidade


Leia Também:
Anterior:

Próxima:

Publicidade