Publicidade

Placa que indica o engenheiro responsável pela produção do motor do Nissan GT-R atrai atenção do público no Salão do Automóvel de São Paulo

Uma das grandes atrações do Salão Internacional do Automóvel de São Paulo 2014, o Nissan GT-R atrai ainda mais público quando seu capô é aberto e revela o motor V6 3.8 biturbo, que desenvolve 545 cavalos de potência. Um detalhe nele, porém, tem chamado a atenção e despertado a curiosidade: a plaquinha com o nome Nobumitsu Gozu.

Ao contrário do que muitos possam imaginar, o bi turbo que equipa o superesportivo GT-R não é produzido em série como a maior parte dos propulsores de automóveis. A Nissan confia a tarefa de dar o “batimento” correto e preciso do coração V6 de 545 cavalos do modelo a somente quatro profissionais: Takumi Kurosawa, Tsunemi Ooyama, Izumi Shioya e Nobumitsu Gozu. Com mais de 100 anos de experiência somados em suas carreiras, eles são considerados “takumis”, termo que descreve um mestre-artesão que aperfeiçoou suas habilidades ao longo de anos de trabalho árduo e dedicação.

Os quatro trabalham na fábrica de Yokohama, cidade da fundação da Nissan e da sede mundial da empresa, na qual um dos modelos esportivos mais cultuados da indústria automobilística tem sua linha de produção. Cada motor do GT-R é montado com cuidado e precisão por cada um desses artesãos.

Logo após a finalização do propulsor, o takumi responsável orgulhosamente monta a placa com seu nome na “obra de arte”, servindo como uma lembrança eterna dos altos níveis de habilidade e experiência que ele empregou em cada momento do seu trabalho.

A tradição da produção do GT-R inclui um encontro entre o comprador do GT-R com o takumi responsável pelo motor, em uma visita à fábrica de Yokohama. Muitos proprietários exerceram esse seu direito, entre eles Jay Leno, conhecido apresentador de programa de entrevistas da televisão dos Estados Unidos e colecionador de automóveis.

A fábrica de Yokohama é um modelo de tecnologia e eficiência dentro da indústria automobilística mundial. Em quase oito décadas de existência, produziu mais de 35 milhões de motores, incluindo esse VR38 que equipa o lendário GT-R.

Para Nobuhiro Ozawa, gerente da fábrica, montar o motor de um dos carros-chefe da Nissan, que representa o auge da marca, é motivo de orgulho para os funcionários. “E as placas de identificação representam a alma e o senso de responsabilidade que os takumis empregaram em seu trabalho artesanal”, diz.


Publicidade


Leia Também:
Anterior:

Próxima:

Publicidade