Publicidade

Maratona Universitária da Eficiência Energética: Evento termina nesta sexta-feira

Depois de três dias de competição no Kartódromo Ayrton Senna, em Interlagos, zona sul de São Paulo, termina nesta sexta-feira (28/11) a 11ª Maratona Universitária de Eficiência Energética. O evento já começou com novos recordes, contando com a participação de mais de 500 estudantes com 73 protótipos de 48 universidades de dez Estados (SP, RJ, PR, SC, RS, MG, MT, BA, MA, PI) brasileiros,

“Nossa maratona está crescendo. Além de maior abrangência, já cobrindo metade do território nacional, e com expressiva adesão, as equipes das universidades estão mais organizadas, o nível dos projetos e construção está superior e acredito que a possibilidade de quebra de recordes é boa”, comemora Alberto Andriolo, idealizador e organizador da 11ª Maratona Universitária da Eficiência Energética.

“Os universitários conseguiram resolver os eventuais problemas da primeira tentativa com seus veículos e depois dos testes iniciais, neste segundo dia de prova atingiram um rendimento ainda melhor. Tudo indica que vamos ter um final de evento com resultados surpreendentes em virtude dos bons projetos e do esforço da moçada”, comentou Andriolo.

Mas nem sempre é assim. Mesmo sendo o considerado o melhor projeto entre todos os 73 veículos, segundo os avaliadores da 11ª Edição da Maratona de Eficiência Energética, o protótipo à gasolina da CTM – UFMG não andou nos dois primeiros dias, pois sofreu com problema no gerenciamento eletrônico do motor, que não permitia que o motor estabilizasse em sua melhor performance. “Vamos fazer só uma tentativa amanhã (sexta-feira). Não é o ideal, mas talvez seja suficiente”, confia Luciana Costa, estudante do segundo ano de engenharia mecânica e capitã da equipe Milhagem.

Uma das curiosidades da Maratona Universitária da Eficiência Energética é que a maioria (cerca de 90%) dos pilotos é do sexo feminino, justamente porque os estudantes desejam alcançar a eficiência em todos os níveis. Por isso, procuram estudantes de menor estatura e peso, além de apostarem na suavidade e precisão das mulheres ao volante.

Imprevistos e Irreverência

Todo evento reunindo jovens universitários têm seus momentos alegres, descontraídos e também de imprevistos. E na Maratona Universitária de Eficiência Energética sempre é assim. Os estudantes passam um ano projetando e construindo seus protótipos, e depois enfrentam longas viagens e noites mal dormidas para participarem da competição, e nem tudo dá certo.

É o caso dos alunos do Instituto Federal do Piauí, que demoraram três dias de viagem até São Paulo para estrear na competição, mesmo tempo gasto pela equipe estreante da Universidade do Estado de Mato Grosso desde Sinop, a 500 km de Cuiabá, e que não tinham dinheiro para voltar para casa. Algo que foi solucionado depois que todos os outros concorrentes fizeram uma ‘vaquinha’ que rendeu cerca de R$ 900 para pagar a alimentação e combustível do ônibus.

“A maratona tem que ser isso, não é só competição. É colaboração também. Fizemos muitas amizades aqui e recebemos muita orientação e ajuda tecnológica. Afinal, estamos competindo na categoria Gasolina e em nossa faculdade não tem Engenharia Mecânica, somos estudantes de engenharia civil”, aponta Nelson Klaus Foppa, capitão do Jacaré Motors (numeral 37).

Novo recorde

Depois do primeiro dia de competição, a liderança na categoria Etanol é do protótipo Paranauê (numeral 50), da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, que atingiu a marca de 213,471 km por litro. A mesma entidade da cidade de Pato Branco também está na primeira colocação na categoria Gasolina, com o protótipo Popygua (numeral 19), que por enquanto atingiu 267,062 km/l.

Já na categoria Eletricidade saiu o primeiro recorde deste ano. No primeiro dia o primeiro colocado foi o protótipo Jarvis Mark II (numeral 65), da equipe da Fatec de Santo André (SP), com o consumo de 54,073 KJoules.

Última Tentativa e Critérios de Eficiência

Todos os veículos terão a última oportunidade de melhorarem as suas marcas nesta sexta-feira. A vitória nas categorias gasolina e etanol será do protótipo que fizer o percurso gastando menos combustível depois dos três dias de tentativas. No caso dos movidos à eletricidade o vencedor será o que gastou menos energia, também não importando em qual dos dias.

Os veículos das categorias gasolina e etanol usaram um pequeno frasco de 250 ml com combustível fornecido pela organização. Isso permite que ele seja pesado antes de entrar na pista e depois que retorna. É o controle do peso da massa de combustível utilizado para percorrer o percurso que define a classificação.

Os protótipos movidos a motor elétrico entram para o circuito com exatamente a mesma carga mínima na bateria. Depois de percorrerem a distância mínima de oito voltas é feita a medição da carga restante pelo Joule Meter. O protótipo vencedor é aquele que ficar com mais carga na bateria.

A Maratona Universitária da Eficiência Energética é uma competição que oferece o desafio para estudantes de escolas de ensino superior na área de engenharia criar o protótipo de veículo mais econômico do Brasil, movidos por gasolina, etanol ou eletricidade.

O anúncio dos vencedores e premiação será feita por Emerson Fittipaldi, nesta sexta-feira (28/11), a partir das 13h. Os dois primeiros colocados de cada categoria receberão como premiação veículos Renault e os terceiros colocados receberão motores, para as universidades usarem em seus laboratórios.

Veja a programação da final da 11ª Maratona Universitária da Eficiência Energética:
28/11 –
8h às 9h – Treinos livres
9h10 – Briefing
9h30 – Largada para a 3ª e última tentativa
13h – Premiação com Emerson Fittipaldi
14h – Encerramento

A 11ª Maratona Universitária da Eficiência Energética tem o patrocínio de Renault, Instituto Renault e Solid Edge, apoio de SPTuris, Greenworks e Fittipaldi Empreendimentos.

Consulte http://www.maratonadaeficiencia.com.br/


Publicidade


Leia Também:
Anterior:

Próxima:

Publicidade