Publicidade

Mercedes-Benz faz acordo para manter empregos na fábrica de São Bernardo do Campo durante um ano

A Mercedes-Benz do Brasil firmou, hoje, acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC que concede estabilidade de emprego até 31 de agosto de 2016 aos quase 10 mil funcionários da fábrica de São Bernardo do Campo, São Paulo, onde são produzidos caminhões, chassis para ônibus e agregados (motores, eixos e câmbios).

O acordo estabelece para todos horistas e mensalistas da planta a redução de 20% da jornada de trabalho e de 10% dos salários com a adoção do Programa de Proteção ao Emprego – PPE. A Mercedes-Benz é a primeira fabricante de veículos a adotar o PPE como medida para amenizar os efeitos negativos da crise aos seus colaboradores.

Além disso, entre outras medidas de contenção de despesas, foi acordada para o próximo ano a aplicação de somente 50% do INPC.

“Estamos felizes pelas famílias e pelos nossos funcionários, que terão a garantia de emprego até o próximo ano. Isso representa um fôlego tanto para a Empresa quanto para os colaboradores diante de uma forte crise econômica no País”, afirma Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO América Latina.

Durante as constantes negociações, antes de oficializar a necessidade das demissões de 1,5 mil pessoas, a Empresa sempre destacou a sua disposição de encontar uma solução que permitisse a Companhia e aos seus funcionários suportarem a crise.

Como prova, foram realizadas, desde maio de 2014, várias medidas para tentar gerenciar o excesso de pessoas, como banco de horas, semanas curtas, férias e folgas coletivas, licenças remuneradas e várias oportunidades de desligamento voluntário – PDV, além de lay-offs de julho de 2014 a setembro de 2015.

“As expectativas de vendas para o mercado de veículos comerciais em 2015 continuam negativas e não existe nenhuma previsão de recuperação no próximo ano. Nesse sentido, o País precisa de medidas para sair da recessão, controlando a alta inflação e as elevadas taxas de juros, retomando o crescimento econômico e despertando a confiança dos investidores para realizar novos negócios. A falta de estabilidade política e econômica gera uma desconfiança dos clientes, que deixam de investir no mercado brasileiro. Essa situação, se não resolvida, continuará ameaçando as empresas e a manutenção de empregos no País”, conclui Schiemer.


Publicidade


Leia Também:
Anterior:

Próxima:

Publicidade