‘Made in Brazil, com excelência de qualidade’ – por Ingo Pelikan

Em meados dos anos 1980, era bastante forte a preocupação, tanto por parte da indústria quanto do governo, de reforçar o nosso parque industrial para sermos competitivos em todo o globo. Da massiva concentração no Estado de São Paulo, a indústria passou a buscar oportunidades em outras regiões. Na época, montadoras que chegavam ao Brasil, atraídas por incentivos estaduais, começavam a construir fábricas fora de São Paulo. Por tendência, lançada pela Fiat em Belo Horizonte, autopeças também passavam a se instalar próximas às montadoras.

Toda essa descentralização da indústria foi acompanhada de perto pelo IQA – Instituto da Qualidade Automotiva, que agora avança mais um largo passo na disseminação da qualidade em toda a cadeia, com a regionalização de suas atividades, realizada por meio da atuação de representações próximas aos polos industriais. São especialistas devidamente treinados e qualificados, que atuam como braços do Instituto em suas respectivas regiões: identificam as necessidades locais e apresentam oportunidades para a melhoria contínua da qualidade de processos, produtos e serviços do setor.

Construir uma estrutura de trabalho sólida para todo o Brasil não é algo simples porque requer o engajamento de pessoas devidamente preparadas conforme o padrão IQA, afinal o Instituto não pode perder a identidade, calcada em questões éticas e de relacionamento, que são pontos fundamentais no processo. Portanto, além de conhecimento da qualidade, é necessário perfil que se enquadre nos princípios do Instituto. Em outras palavras, o objetivo é estar próximo das diversas regiões do Brasil, mas com padrão de trabalho comum para o País inteiro.

Com a atuação dos representantes, que têm contato direto com as empresas e entidades locais, características regionais ficam mais perceptíveis e particularidades são melhor compreendidas. Esse é o diferencial da construção de bases regionais nos polos mais importantes do País. Além do Estado de São Paulo, onde tem sede na Capital e está representado nas cidades de Campinas, Piracicaba e Sorocaba, o IQA já atua em Estados como Bahia, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco e Rio Grande do Sul.

Em dois anos de trabalhos, já houve grande interesse da indústria por treinamentos em Estados como Paraná, Rio Grande do Sul e Minas Gerais assim como demandas de oficinas por certificação de serviços em cidades do Mato Grosso. Também são realizadas certificações de concessionárias em todo o Brasil para a Fiat e a Volkswagen.

Ainda há muitas regiões para alcançar. Não se pode estar vinculado apenas aos polos industriais. Só no Estado de São Paulo, há uma grande ampliação da indústria pelo Interior, a exemplo de Sorocaba, que não é um polo industrial, mas um potencial onde há muitas indústrias instaladas. O Instituto partiu pelos polos industriais, mas também quer alcançar regiões onde existem demandas que precisam de apoio.

É extremamente importante para a nossa indústria essa diversificação regional, que deve ser feita de forma estruturada e planejada. A qualidade no setor automotivo precisa ser padronizada e entendida em todo o Brasil para que seja a mesma, independentemente de onde é produzida. Esse é o nosso maior desejo: quando se falar em qualidade made in Brazil, que nós, de Norte a Sul do País, sejamos reconhecidos mundialmente como grande fabricante do setor automotivo.

Ingo Pelikan é presidente do IQA – Instituto da Qualidade Automotiva.



Leia Também:
Anterior:

Próxima: