‘Feira Internacional da Amazônia: um convite para revitalização das potencialidades da região’ – por Alfredo M.R. Lopes

Encolhida no volume de expositores, de produtos e debates, e teimosa na insistência de seus organizadores, a FIAM, Feira Internacional da Amazônia – “a maior vitrine para divulgação de produtos, serviços e oportunidades de negócios na Região Amazônica” – além de retrato instantâneo do Brasil, é um convite para revitalizar suas potencialidades. A economia da floresta vai dizer aos frequentadores reais e virtuais que continua à disposição do futuro para oferecer respostas para as grandes demandas da humanidade. A Suframa, gestora da Zona Franca de Manaus, com a energia de uma guerreira amazona, ganha um novo alento no processo de recuperação de sua autonomia e na retenção dos recursos que lhe permitem levar a bom termo essa missão. Eis, pois, a r az&atild e;o e necessidade de mobilizar atores, recursos e projetos na mesma direção.

A FIAM, neste momento, com seus diversos segmentos na vitrine, a diversidade deste modelo industrial, apesar de tudo, bem sucedido, terá rodadas de negócios, exposição de novas tecnologias, divulgação e comercialização de produtos regionais e jornada de seminários científicos para debater desafios, embaraços, negócios e oportunidades. Um momento ímpar e emblemático e um convite para decifrar enigmas e avançar em sua elucidação. Sobretudo, um momento de trocar energia e utopia, na busca de soluções.

Vale a pena observar os esforços dos Bio- empreendedores na linha de sobreviver, consolidar e expandir suas intuições. Fármacos, cosméticos, nutracêuticos, que Bertha Becker insistiu, no projeto da indústria da juventude que a humanidade procura, com visão harmoniosa entre mercado e meio ambiente. Uma indústria de base biomolecular convivendo com a indústria tradicional de transformação, inquieta, porque reduz, ano a ano, sua participação no PIB brasileiro. Alguns consideram natural o processo de desindustrialização, enquanto outros, argumentam – à parte da crise de credibilidade – um processo natural de desenvolvimento da economia brasileira, que se deve mais a orientação excessiva das pol& iacute;ticas macroeconômicas para a demanda do mercado.

A Feira traduz um paradoxo fecundo e pode conduzir a uma reflexão sobre o desenvolvimento da Amazônia, mostrar a diferença entre manter a floresta em pé e a floresta intocada, como propõem indiretamente os oportunistas da demagogia ecológica. As empresas de economia criativa, que florescem em meio a indústria sem chaminé, do modelo ZFM, comprovam que a floresta deva ser transformada em termos de sua densidade econômica, sem prejuízo de sua biodiversidade. A economia madeireira surge, por exemplo, como inteligente opção sustentável, como fez Japão e Alemanha com suas florestas. Aliás, esta é a única proposta com escalas geográfica e econômica necessárias para enfrentar o agronegócio, dizem Niro Higuchi e Charles Clement, do Inpa , com a substituição da floresta pela produção pura e simples de commodities hoje em franca expansão no Centro-Oeste do Brasil. Manejo inteligente é mais coerente.

Além das trilhas conhecidas, a floresta tem múltiplas alternativas em sua economia criativa. De acordo com a OIT-Organização Internacional do Trabalho, no PIB mundial, a participação deste nicho de negócios de bens e serviços culturais, é de 7%, com crescimento anual previsto de 10% a 20%. No Brasil, o crescimento tem sido em torno de 6%, superior às taxas decrescentes do PIB nacional. São bens criativos: o Patrimônio (materiais e imateriais, museus e arquivos); as Expressões culturais (artesanato, artes visuais, culturas afro, indígena e populares); as Artes e espetáculo (dança, música, circo e teatro); o Audiovisual, livro e literatura (cinema e vídeo, e publicações); e as Criações Funcionais (moda, arquitetura, design e a rte digi tal). Com a retenção dos fundos recolhidos pela indústria da ZFM para o desenvolvimento regional integral, a FIAM, feira das oportunidades da Amazônia, em vez de evento passaria a ser uma nova dinâmica de desenvolvimento regional florestal e integral de que precisamos. Que tal?

Alfredo é filósofo, ensaísta e consultor do CIEAM (Centro da Indústria do Estado do Amazonas)



Leia Também:
Anterior:

Próxima: