Publicidade

Chevrolet Spark GT ganha zero estrela do Latin NCAP por falta de segurança

O último resultado do Programa de Avaliação de Veículos Novos para América Latina e o Caribe, o Latin NCAP, do qual a PROTESTE Associação de Consumidores é parceira, demonstra que os carros da General Motors vendidos em Países que não tem os mesmos padrões de segurança do Brasil e Europa, colocam em risco os consumidores.

A versão mais básica do Chevrolet Spark GT’s (Classic), fabricado na Índia, obteve zero estrela tanto para o ocupante adulto quanto para o ocupante infantil. O Spark GT é um modelo popular vendido em países como o México e a Colômbia.

A falta de airbags explicou o resultado ruim, enquanto a estrutura foi classificada como estável no teste de colisão de impacto frontal. A baixa pontuação quanto à proteção do ocupante infantil é explicada pelas altas leituras dos dummies (bonecos) no teste de colisão, e a falta de instruções adequadas para a instalação correta das cadeirinhas (os sistemas de retenção infantil). Não foi feito o teste de impacto lateral por causa da eliminação no impacto frontal .

Ao omitir os itens de segurança que equipa o mesmo modelo em outros países, a montadora demonstra “falta de respeito aos consumidores ao praticar duas políticas diferentes conforme os países de destino”, destaca Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da PROTESTE.

Apesar terem sido interpelados pelo Latin NCAP pela falta de segurança dos carros produzidos, a montadora nada tem feito para alterar a situação e continua em muitos países a oferecer um nível tão baixo de segurança nos veículos, o que implica diretamente em mais lesões graves e mortes nos acidentes desses veículos.

Para Alejandro Furas, Secretário Geral do Latin NCAP, o resultado do teste reforçou a decepção com a General Motors, “especialmente em um modelo que tem o potencial de oferecer níveis de proteção elevados, quando sua versão básica equipada com seis airbags foi avaliada pelo Euro NCAP em 2009 e atingiu quatro estrelas”. Considera inaceitável que o modelo Spark GT na versão europeia, que inclui airbags, seja oferecido por um valor similar ao da versão básica para América Latina, que não conta com airbags.

A respeito dos ocupantes infantis, o Latin NCAP surpreendeu-se com a General Motors, pois ela decidiu colocar o dummy de 18 meses no Sistema de Retenção Infantil instalado olhando para frente. A tendência global é manter os passageiros crianças olhando para trás seja como for. Em 2015, a Toyota colocou o dummy de três anos de idade olhando para trás nos testes do Latin NCAP com excelentes resultados.

“É uma pena que um fabricante mundial de automóveis como a General Motors não possa oferecer dispositivos de segurança bem conhecidos como os airbags como equipamento padrão. É difícil acreditar como continua este tipo de discriminação com os consumidores da América Latina e do Caribe, enquanto o Global NCAP e toda a comunidade da segurança viária exigem a democratização da segurança veicular”.

Já María Fernanda Rodríguez, Presidente do Latin NCAP, questiona como uma marca global que oferece bons níveis de segurança para outras regiões não demonstra a mesma preocupação com todos os consumidores, independentemente do local de residência. “Todos têm a mesma importância inclusive quando se trata de segurança. Esperamos que a General Motors acompanhe o rumo de outras marcas que realizaram avanços na democratização da segurança”.

A General Motors informou ao LatinNCAP que seu objetivo é melhorar os níveis de segurança de seus veículos no futuro, porém a mudança tem que ser bem mais rápida, para evitar que os consumidores continuem viajando em seus carros inseguros. “As medidas de longo prazo não são suficientemente boas, os consumidores da América Latina precisam carros mais seguros agora”, afirma a presidente do Latin NCAP.

Acesse nosso site e confira informações exclusivas sobre Direito do Consumidor: www.proteste.org.br/institucional


Publicidade


Leia Também:
Anterior:

Próxima:

Publicidade