Publicidade

Salustiano: briga com Giaffone é Davi contra Golias

Com a desvantagem de 32 pontos na classificação geral, Paulo Salustiano tem somente um alvo nas três últimas corridas da temporada: o líder Felipe Giaffone. O vice-líder tem 249 pontos contra 281 do principal adversário que, diferentemente dele, ainda não fez o descarte obrigatório pelo regulamento. O principal objetivo do segundo colocado no Campeonato Brasileiro da Fórmula Truck é ficar de olho e fazer marcação cerrada no tricampeão da mais popular categoria do automobilismo da América do Sul para encostar na tabela de classificação já na oitava etapa, no próximo dia 9 de outubro no Autódromo Zilmar Beux, em Cascavel, Oeste paranaense.

“O Felipe é o meu alvo. Meu único objetivo é chegar na frente dele. Tem também o Diogo Pachenki, mas, devido à desclassificação que ele teve em Interlagos, sua situação está mais complicada para disputar o título. Ele é franco atirador. Tem de tentar ganhar corridas e fazer o máximo possível de pontos até o final da temporada. Eu, além de ficar de olho e acabar na frente do Felipe também preciso cuidar para o caminhão não quebrar“, diz Salustiano.

O vice-líder do Campeonato Brasileiro da Fórmula Truck tem bastante confiança no seu trabalho e no da equipe ABF Mercedes-Benz para as três corridas finais: dia 9 de outubro em Cascavel, dia 6 de novembro em Guaporé, Rio Grande do Sul, e na final dia 4 de dezembro no recém-inaugurado Autódromo de Curvelo, em Minas Gerais.

“Por termos ainda 159 pontos em disputa, o campeonato está em aberto para os três primeiros. Para tentar chegar ao título, tenho de fazer uma marcação cerrada sobre o Felipe. Será como aquele zagueiro cercando o atacante perigoso. Será uma briga entre Davi e o gigante Golias!“, completa Paulo Salustiano.

Restritores de potência

De acordo com o regulamento, o líder do Campeonato Brasileiro, Felipe Giaffone (Volkswagen Constellation), usa o restritor de 70 milímetros, o que o leva a perder algo em torno de 140 cavalos. O segundo colocado Paulo Salustiano, piloto do Mercedes-Benz, vai com o de 72mm e deixa de usar cerca de 120 HP. Diogo Pachenki (Mercedes-Benz), o terceiro colocado, levará o restritor de 74mm, com 100 cavalos de perda. O cascavelense David Muffato (MAN), o quarto colocado, vai com o de 76 milímetros e perde 50 HP, e o quinto na tabela da classificação geral, André Marques (Volkswagen Constellation), usará o de 78mm e não utiliza 30 cavalos.

Dados de média de velocidade

As duas pistas com média de velocidade mais alta no Brasil são Cascavel e Tarumã, a próxima e a etapa anterior da Fórmula Truck. Enquanto os caminhões atingiram a média de 142,1 km/h na temporada passada, quando o restritor do líder era de 74 mm (neste ano é de 70mm), em Tarumã nesta temporada (já com os novos restritores) o pole position fez média de 117,1 km/h.


Publicidade


Leia Também:
Anterior:

Próxima:

Publicidade