Publicidade

Em futuro próximo, carro autônomo pode reduzir acidentes de trânsito e congestionamentos

Você provavelmente já ouviu falar nos carros autônomos, os veículos que dirigem sozinhos e que dispensam a ação do motorista. Alguns modelos já estão sendo testados em pistas e ruas ao redor do mundo, mas, afinal, quando essa revolução vai acontecer e como isso vai impactar a vida das pessoas?

A base para este novo modelo de mobilidade está na Internet das Coisas, que permite conectar não só eletrodomésticos e câmeras de segurança, mas também os automóveis do futuro à Internet. O resultado disso é uma rede de dados precisos, retroalimentada pelos próprios carros, que poderão informar uns aos outros sobre as condições do trânsito, possíveis perigos nas pistas, acidentes, construções nas vias e condições climáticas adversas – tudo em tempo real e sem qualquer intervenção do motorista.

Esse cenário já está bem próximo do real: a HERE, referência global em serviços de localização na nuvem, desenvolveu um protocolo padrão denominado SENSORIS, que possibilita o intercâmbio de dados entre os sensores dos veículos de diferentes marcas, globalmente. Os sensores a bordo dos carros conectados captam os dados e os enviam para a plataforma aberta da HERE, onde são processados e redistribuídos. Em milissegundos, esses dados serão compartilhados com outros milhões de veículos, o que permitirá que os carros do futuro tomem decisões mais assertivas, de acordo com a situação vigente.

A sinergia entre conectividade e os sensores dos veículos poderá fornecer serviços inteligentes de mobilidade, tais como: tráfego em tempo real, informações meteorológicas e locais para estacionamento na rua, conduzindo os veículos autônomos com alta precisão e com capacidade de mapeamento em tempo real no futuro.

Outro fator que permeia todo o sistema de condução autônoma são os mapas de alta precisão. Sem contar com a avaliação humana para compreender todas as nuances do terreno ou as variáveis que atuam sobre ele – como um buraco recém-aberto -, é necessário que uma única plataforma processe esses dados e os comunique aos automóveis. É aí que entra o HD Live Map – tecnologia de mapeamento desenvolvida pela HERE, capaz de informar com exatidão as características das vias, incluindo angulação, curvatura e declive, além de indicar em qual pista o veículo deve estar para dobrar uma rua ou esquina. O HD Live Map é construído “ao vivo”, em alta definição, representando de maneira gráfica e aprimorada os espaços e suas alterações em tempo real.

“A condução autônoma deve trazer mais segurança e conforto para motoristas e passageiros. Combinadas, essas duas soluções – o SENSORIS e o HD Live Map – trarão uma nova experiência de mobilidade, baseada em ferramentas e informações extremamente precisas, reduzindo o número de acidentes e melhorando a experiência dentro do veículo”, diz Vinícius Ferreira, gerente sênior de Produto da HERE. “Em longo prazo, a condução autônoma deve mudar também a paisagem das cidades, que terão menos congestionamentos à medida em que os automóveis farão melhores escolhas no trânsito”, completa.

Sobre a HERE

A HERE, empresa de localização na nuvem, permite que pessoas, empresas e cidades ao redor do mundo desfrutem de serviços de localização de alta qualidade. Traduzindo o mundo em mapas e soluções de mobilidade, a companhia ajuda seus clientes a chegarem a melhores resultados – auxiliando prefeituras a gerenciar a infraestrutura da cidade ou permitindo que empreendimentos de todos os portes otimizem seus ativos para guiar motoristas com máxima segurança a seus destinos. Para saber mais sobre a HERE, incluindo as novas plataformas de serviços de localização em nuvem, acesse http://360.here.com.


Publicidade


Leia Também:
Anterior:

Próxima:

Publicidade