Publicidade

Indefinição da concessão da Freeway traz indignação para segmento de transporte e logística

A indefinição diante do encerramento da concessão da Freeway foi lembrada pelos presentes na 19ª edição da Feira e Congresso Transposul. Para o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga e Logística do Rio Grande do Sul (SETCERGS), se não houver uma solução imediata haverá um retrocesso na via, considerada uma das mais importantes e bem pavimentadas do estado. De acordo com, Afrânio Kieling, a data do final do contrato era de conhecimento do Governo Federal há muitos anos e, mesmo assim, nenhuma atitude foi tomada para que alguma saída estivesse alinhavada faltando uma semana para o prazo.

– Quero criticar o Governo Federal por não ter feito essa renovação há mais tempo. É muito incompetência ou falta de gestão pública. Há muitos anos sabia-se que o prazo acabaria agora e nenhuma providência foi tomada? É um absurdo que faltem alguns dias para o fim da concessão e ninguém saiba como será o funcionamento da rodovia na terça-feira (03/07) pela manhã. Já defendemos que um novo modelo de concessão fosse pensado, mas o prazo estourou e, hoje, defendemos que se faça uma renovação emergencial com a empresa que está trabalhando atualmente. Depois, é preciso promover uma atualização no modelo para, então, realizar uma nova licitação – destaca Afrânio Kieling.

Segundo o diretor do SETCERGS, Frank Woodhead, para um contrato emergencial com a Concepa, empresa que administra a Freeway atualmente, é necessário mudar detalhes do contrato.

– Sugerimos diminuir o valor do pagamento para a empresa, pois esse montante prevê obras na rodovia e essas melhorias não deverão ser realizadas durante um contrato emergencial. Além disso, também aconselhamos que sejam eliminadas as cobranças do pedágio de Gravataí, uma solicitação dos moradores da cidade que já foi aprovado pela ANTT, mas que ainda segue em vigência – salienta Woodhead.

A concessão da Freeway com a Concepa encerra na segunda-feira (02/07). Entre as preocupações do SETCERGS estão a operacionalidade da Ponte do Guaíba e o risco de que os cuidados da rodovia fiquem à mercê do DNIT.

A atual concessão vence no próximo dia 3 de julho, mas Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) diz que estenderá prazo por até 2 anos


Publicidade


Leia Também:
Anterior:

Próxima:

Publicidade