Publicidade

Nissan Skyline: a origem de uma lenda

Há mais de meio século, as competições do automobilismo esportivo têm atraído multidões no Japão. Mas um Grande Prêmio destaca-se na opinião dos fãs do esporte: a corrida de 1964, realizada em Suzuka. Naquele dia, o Skyline passou a ser uma lenda.

Uma série de Skyline GTs estava alinhada para competir na categoria GT-II. Os sedã modificados para as pistas estavam prestes a fazer o impensável: desafiar campeões estrangeiros consagrados. Porém, por pouco os Skyline não participaram da corrida: para validar a inscrição, uma centena de unidades da versão de produção deveria ser fabricada. A Prince Motor Company, que posteriormente se fundiria com a Nissan, produziu apenas o volume mínimo necessário.

O Skyline GT tinha a frente mais longa, motor de seis cilindros em linha e tripla carburação, resultado da criação do engenheiro-chefe, Shinichiro Sakurai.

Skyline GT De volta ao volante do carro número 39 que ele havia pilotado em 1964, Yoshikazu Sunako recorda-se que, à primeira vista, o modelo modificado parecia longe de ser perfeito.

“Tínhamos aumentado a carroceria em 20 centímetros”, comentou Sunako. “O balanço da carroceria era muito ruim e os pneus ficaram ‘para fora’. Por isso, só conseguíamos fazer drift em curvas. Derrapávamos e fazíamos drift porque os pneus eram ruins. No final das contas, isso acabou jogando a nosso favor”. Depois de algumas voltas de aquecimento, Sunako percebeu que o carro tinha algo de especial. “Ao completar uma volta em 2”47′, tive o orgulho de dizer que este era o carro mais veloz de Suzuka”, disse Sunako.

O sedã Skyline tinha mesmo que ser rápido. Um dos competidores na época era um Porsche 904 Carrera GTS, um carro alemão que chegava com uma reputação de peso. O Skyline não conseguiu superar o desempenho do Porsche, pois este atingiu uma velocidade máxima que superou os 250 km/h, mas Tetsu Ikuzawa, piloto e colega de Sunako, conseguiu ir além ao fazer uma manobra que jamais seria esquecida no Japão. “Um pouco antes da curva fechada, Ikuzawa ultrapassou o Porsche. Foi aí que eu pensei “Uau! Esse é o cara”!, comentou Sunako.

A ultrapassagem do Porsche levou os fãs em Suzuka e de todo o Japão ao delírio.

O carro alemão terminou ficou com o título no final da prova, mas os Skylines se classificaram do segundo ao sexto lugar. Sunako ficou em 2º e a ousada manobra de Ikuzawa passou a fazer parte do imaginário de uma nação.

Toshiyuki Shiga, ex-COO da Nissan, lembra que aquele dia foi decisivo no rumo de sua carreira. “Eu tinha apenas 9 anos de idade na época, mas ainda me lembro da grande manchete”, comentou Shiga. “O ano de 1964 marcou o início do automobilismo esportivo no Japão e a Nissan sempre foi pioneira na categoria. Fiquei muito feliz e passei a sonhar em fazer parte da Nissan”.

Kazuyoshi Hoshino, piloto veterano que se tornaria um herói nacional em Daytona quase 30 anos depois, também considerava o Skyline um ícone. “Este carro motivou o desenvolvimento do automobilismo esportivo no Japão e eu mesmo era obcecado por ele”, comentou Hoshino. “Ele é o motivo pelo qual iniciei minha trajetória nas corridas. Escolhi esta carreira por causa dele e teria feito outra coisa se ele não tivesse existido”.

Mesmo que o resultado em Suzuka em 1964 não tenha sido uma vitória, a ousadia inspirou o desenvolvimento dos carros da Prince R380 Series, que venceria um Grande Prêmio dois anos depois, deixando um Porsche para trás.

Ao volante do carro que se tornou o campeão do Grande Prêmio de 1966 estava Sunako. “Nossa derrota para a Porsche naquela época foi a origem do nascimento da série R380, portanto foi bom ter competido com o Porsche Carrera”, comentou Sunako.

O nº 39 é tão significativo nos dias de hoje que recentemente um grupo de voluntários dedicou centenas de horas de trabalho para restaurá-lo, trabalhando no Centro Histórico da Nissan em Zama, onde o carro ficou guardado até poder voltar à cena de seu maior sucesso – o circuito de Suzuka.

“Foi extremamente emocionante”, comentou Shinichi Kiga, líder da equipe do projeto de restauração. “Este carro realmente precisa ser visto rodando em circuito. Enquanto estava guardado no Centro de Zama, era como se ele fosse uma fera adormecida, quase moribunda. Mas ele recuperou todo seu esplendor ao voltar à pista de Suzuka”.

Assim começou a lenda Skyline, que perdura por 12 gerações do modelo, e também serve de homenagem ao engenheiro-chefe Sakurai, que faleceu em 2011, deixando um legado de inovação e empolgação que se mantém até os dias de hoje.

Nissan Skyline 2000 GT-R

O Skyline 2000GT (S54) foi lançado 2 dias antes do segundo Grande Prêmio do Japão, em 1964. Foi necessário um trabalho ininterrupto para produzir as 100 unidades mínimas necessárias para que o modelo fosse validado como competidor na corrida. A história sobre como o 2000GT bravamente partiu para cima de um Porsche logo se espalharia pelo país, dando início à lenda “Skyline”.

Calsonic Nissan Skyline GT-R

Relançado como R32, em agosto de 1989, o GT-R participou de sua primeira competição na corrida de abertura do All Japan Championship, em março de 1990. Nas quatro temporadas que se seguiram até a última edição, em 1993, o GT-R conquistou o recorde espetacular de vencedor de todas as 29 rodadas. Este Calsonic Skyline de nº 12 foi vitorioso em 1990 e 1993.


Publicidade


Leia Também:
Anterior:

Próxima:

Publicidade