Audi atinge desempenho robusto em um período financeiro desafiador em 2017 e acelera a transformação de seus negócios

O Grupo Audi aumentou suas receitas e lucros sob condições difíceis em 2017. Pela primeira vez, a receita ultrapassou a marca de 60 bilhões de euros, mais que dobrando nos últimos oito anos. Com um lucro operacional de 5,1 bilhões de euros após as despesas extras, o retorno operacional de vendas foi de 8,4%.

Com a inclusão dos negócios na China, que é apresentado como resultado financeiro, a margem operacional seria um ponto percentual maior. Como resultado de premissas de medição atualizadas para os acordos relativos ao caso envolvendo o motor 3.0 V6 TDI na América do Norte, a Audi provisionou um montante de 387 milhões de euros em 2017. Após essas despesas extras, o lucro operacional totalizou 4,7 bilhões de euros e o resultado operacional nas vendas foi de 7,8%. Em 2018, a Audi lançará mais novos modelos que nunca durante um ano e entrará na era da mobilidade elétrica. Para gerir essa ambiciosa estratégia de lançamentos e descontinuações de modelos, a empresa antecipa outro ano desafiador, uma vez que a iniciativa deve ter um impacto positivo sustentado nas entregas e na lucratividade a partir de 2019. A Audi investe massivamente no futuro aplica um abrangente programa de medidas para abrir caminho à reestruturação lucrativa de seu modelo de negócios, de acordo com a estratégia “Audi. Vorsprung. 2025”.

“Em 2017, demonstramos força empresarial e, acima de tudo, formulamos um plano estruturado para os próximos anos” afirma Rupert Stadler, Presidente do Conselho de Administração da Audi AG. “Pretendemos desempenhar um papel de liderança na tremenda revolução que enfrenta nossa indústria. Até 2022, planejamos mais de 40 bilhões de euros para atividades de desenvolvimento e investimento. Estamos adequando a Audi para essa missão com nosso Plano de Ação e Transformação.”

O Plano de Ação e Transformação da Audi visa alcançar lucros totais de 10 bilhões de euros até 2022 e acelerar o realinhamento organizacional para futuros modelos de negócios. “Estamos implementando nosso programa de medidas de forma rápida e sistemática, nos tornando mais eficientes e investindo recursos liberados em um crescimento novo e lucrativo. Isso já nos permitiu decidir lançar quatro novos modelos e versões com um orçamento inalterado”, explica Alexander Seitz, membro do Conselho de Administração de Finanças, TI e Integridade. A Audi continua comprometida com a meta de retorno de 8 a 10% sobre as vendas com vista também no aumento geral de despesas antecipadas para o futuro. Com o plano de Ação e Transformação, a eficiência do processo no desenvolvimento técnico, por exemplo, é melhorar em até 30%, em parte como resultado do desenvolvimento virtual intensificado. No que diz respeito à fase de transformação intensiva em todo o Grupo, a Audi aumentou o seu orçamento para o treinamento contínuo de seus trabalhadores em um terço, para um total de meio milhão de euros até 2025.

A vanguarda tecnológica para o Plano de Ação e Transformação é o Audi Aicon. Apresentado no Salão Automóvel de Frankfurt de 2017, o estudo representa a visão da marca sobre o futuro da mobilidade premium e da criação de valor. Após essa inspiração, a Audi estabeleceu o desenvolvimento de um veículo luxuoso, totalmente elétrico e conectado em seu planejamento de longo prazo.

A empresa ampliou consideravelmente o seu roteiro de eletrificação em todo o portfólio de modelos. Para a mobilidade elétrica do futuro, a marca está trabalhando junto à Porsche e à Volkswagen. Isso resultará em arquiteturas de veículos que são adaptadas para a condução elétrica e que permitem sinergias importantes dentro do Grupo VW. Já em 2025, a Audi oferecerá mais de 20 modelos elétricos que representarão um terço das vendas. Como seu esportivo de destaque, a montadora anunciou na sua conferência de imprensa anual um modelo Gran Turismo de quatro portas altamente dinâmico com condução puramente elétrica. A produção começará no início da próxima década em Böllinger Höfe, perto de Neckarsulm. “Interpretamos a esportividade de forma muito progressiva com o nosso e-tron GT totalmente elétrico, e é assim que levaremos a nossa divisão de alta performance Audi Sport para o futuro”, diz Stadler.

Na China, a marca estabeleceu metas no ano passado para um grande impulso no mercado. Junto ao seu parceiro na joint venture FAW, a empresa expandirá significativamente a sua gama de modelos, especialmente no que diz respeito a propulsão elétrica e SUVs. Dez versões inéditas de SUVs estão planejadas para os próximos cinco anos, sete das quais serão produzidas localmente. Isso significa que o portfólio da Audi produzido localmente na FAW-VW será mais do que duplicado até 2022. Com o estabelecimento conjunto de uma nova empresa de vendas e joint venture para mobilidade e serviços digitais, a Audi e o FAW Group estão reestruturando seus negócios na China para a próxima fase de crescimento. Além disso, a Audi AG se mantém em negociações construtivas com a SAIC sobre uma cooperação futura, a fim de fortalecer seu envolvimento no mercado chinês.

Com mais de 20 novidades no mercado neste ano, a Audi terá a maior iniciativa de lançamentos de modelos em sua história. A marca apresentará novos automóveis em seis de seus principais segmentos e em seguida começará a produzi-los. No final do ano, o primeiro carro totalmente elétrico da marca será lançado: o Audi e-tron. O SUV permite um carregamento rápido em até 150 kilowatts, deixando-o pronto para o uso de longa distância em menos de meia hora. A produção do e-tron na fábrica de Bruxelas, adaptada para fabricar também as baterias do modelo, será completamente neutra em CO2. A Audi Hungria já está pronta para iniciar a produção do motor elétrico do SUV em Győr.

Com a conversão da fábrica de Bruxelas para a fabricação do e-tron, a marca está reorganizando sua rede de produção para modelos importantes a fim de aumentar ainda mais a eficiência. Fabricado em Bruxelas hoje, o A1 será realocado em sua próxima geração para a planta da Seat em Martorell, na Espanha. O Q3 atualmente produzido no local será montado na Audi Hungaria após a mudança do modelo. A partir do início de 2019, o A3 Sedan será produzido em cooperação entre sua planta atual em Győr e a fábrica de Ingolstadt. No que diz respeito às numerosas mudanças no portfólio da Audi e na sua rede de produção, Seitz diz: “2018 será um ano excepcional e exigirá uma força enorme da Audi, que será recompensada a longo prazo a partir de 2019”.

No ultimo ano financeiro, as entregas de carros da Audi subiram – apesar das próximas mudanças de geração de muitos modelos – em 0,6% para o recorde histórico de 1.878.105 automóveis (2016: 1.867.738). Considerando que os efeitos extraordinários em relação ao alinhamento estratégico da marca na China impactaram negativamente no primeiro semestre, o forte aumento da demanda global por SUVs e o contínuo crescimento da Audi no mercado norte-americano tiveram um efeito positivo nas vendas. Apesar do ambiente monetário desfavorável, a receita do Grupo Audi aumentou 1,4% para 60.128 bilhões de euros em 2017 (2016: 59.117 bilhões de euros), superando a marca de 60 bilhões pela primeira vez e mais do que duplicando nos últimos oito anos. Em 2009, o Grupo Audi apresentou receita de 29.840 milhões de euros.

O lucro operacional após as despesas extras para 2017 foi de 5.058 milhões de euros, o que representa um aumento de 4,4% (2016: 4.846 milhões de euros). O retorno operacional das vendas após as despesas extras no ano passado aumentou para 8,4% (2016: 8,2%) e se manteve dentro da meta estratégica de 8 a 10%. Com a inclusão de negócios na China, que é apresentado em resultado financeiro, a margem operacional seria um ponto percentual maior.

O programa SPEED UP!, iniciado em 2016 para fortalecer a disciplina de custos a curto prazo resultou em um lucro de aproximadamente 1 bilhão de euros em 2017. Isso deveu-se principalmente aos ganhos de eficiência em pesquisa e desenvolvimento, bem como a menores custos de distribuição. O SPEED UP! foi concluído com sucesso no final do ano e foi incluído no Plano de Ação e Transformação.

No que diz respeito aos acordos judiciais referentes ao problema dos motores 3.0 V6 a diesel na América do Norte, o Grupo Audi atualizou em 2017 as provisões preventivas em seu balanço anual devido aos extensos e tecnicamente complexos programas de recompra e atualização dos sistemas. Isso levou a um débito extra de 387 milhões de euros. Esse valor inclui despesas e provisionamento de medidas técnicas e riscos legais. No ano anterior, os débitos extras de 1.794 milhões de euros foram incluídos nas demonstrações financeiras consolidadas da Audi. Além do problema do motor a diesel na América do Norte, esse montante também estava relacionado a airbags Takata potencialmente defeituosos. Para o ano de 2017, o lucro operacional foi de 4.671 milhões de euros (2016: 3.052 milhões de euros) e um retorno operacional das vendas de 7,8% (2016: 5,1%). A Audi alcançou lucro de 4.783 milhões de euros (2016: 3.047 milhões de euros). O forte aumento não se deve apenas aos valores menores de despesas extras, mas também ao melhor resultado financeiro.

Em reconhecimento ao seu grande empenho no desafiante ano financeiro de 2017, os funcionários da Audi participaram do sucesso da empresa. O bônus de participação nos lucros da montadora para um trabalhador das plantas na Alemanha aumentou para 4.770 euros (2016: 1.850 euros, em média, mais um bônus especial de 1.300 euros). Para as subsidiárias da Audi, foram estabelecidos os respectivos acordos para pagamentos de bônus.

O Grupo Audi evidenciou novamente a sua elevada capacidade de autofinanciamento em 2017. No contexto da iniciativa de produtos e da reorganização da rede de produção, as despesas de investimento alcançaram 3,9 bilhões de euros (2016: 3,4 bilhões de euros). Ao mesmo tempo, a empresa obteve um fluxo de caixa líquido significativamente positivo de 4,3 bilhões de euros (2016: 2,1 bilhões de euros). Esse importante indicador de desempenho foi influenciado por altos efeitos únicos: a venda de uma participação minoritária na Volkswagen Group Services S.A. (Bélgica) teve um impacto positivo, enquanto as saídas de caixa esperadas em conexão com a questão do diesel tiveram um impacto negativo. Além disso, depois de ajustar esses efeitos extraordinários opostos, o fluxo de caixa líquido foi maior que no ano anterior.

No exercício financeiro atual, a Audi planeja alcançar novamente o nível recorde de entregas de carro de 2017, embora as numerosas atualizações de modelos tenham, em um primeiro momento, um efeito amortecedor. A receita deve aumentar ligeiramente. Implementando seu Plano de Ação e Transformação, a empresa busca um retorno operacional nas vendas dentro da meta de 8 a 10%, apesar dos elevados custos de crescimento e das provisões antecipadas para o futuro. Com um foco estratégico consistente e priorização, a Audi antecipa a proporção de despesas de pesquisa e desenvolvimento para receita ficar ligeiramente acima da meta de 6 a 6,5%. Calcula-se que a proporção entre o gasto de capital e a receita exceda moderadamente a meta de 5 a 5,5%. O fluxo de caixa líquido deve ficar entre 2,7 bilhões e 3,2 bilhões de euros.

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: