Tecnologias permitem mais transparência no diagnóstico de peças dos veículos nas revisões de segurança

Para medir e testar antes de decidir pela troca de uma peça automotiva, o CTTi – Centro de Tecnologia, Treinamento e Inovação -, localizado em Campinas e ligado à Cia. DPaschoal, vem desenvolvendo uma série de ferramentas simples e didáticas que auxiliam na relação entre o mecânico e o cliente.

Grande parte das pessoas não entende de mecânica e, por isso, fica em dúvida quando, durante a revisão de seu veículo na oficina, o profissional orienta para a troca de uma peça. Para permitir mais credibilidade na avaliação do mecânico, o CTTi – Centro de Treinamento Técnico e de Inovação -, localizado em Campinas (SP), vem investindo, ao longo dos anos, em uma série de ferramentas que auxiliam na análise dos sistemas de rodagem, frenagem, suspensão, bateria e injeção para que o consumidor decida, com maior segurança, se aquele é ou não o momento da substituição, por exemplo, dos amortecedores ou pneus.

O mais novo desses equipamentos, o “Audio Shock”, lançado no início de 2018, é a segunda geração do Maxxi Shock Tester que tem a função de avaliar os amortecedores do carro. Trata-se de um microfone especial colocado no corpo do amortecedor para capturar o som dos movimentos da suspensão, indicando a real condição da peça. Com um índice de 97% de assertividade, o Maxxi Shock Tester também permite que as ondas sonoras sejam visualizadas em um desenho parecido com um eletrocardiograma por meio de um aplicativo no celular.

“É comum que o mecânico faça o diagnóstico do amortecedor apenas com base na quilometragem, quando o consumidor reclama que ele está “batendo” ou quando pede uma revisão. Isso é muito relativo, pois depende de uma série de fatores e a troca só deve ser feita mediante um diagnóstico preciso. O Maxxi Shock Tester mostra, de forma efetiva, as condições de uso dos amortecedores, municiando o cliente com informações, antes que ele decida ou não pela substituição destas peças”, explica Leandro Vanni, gestor de inovação do CTTi.

Medir e testar antes de trocar
Os investimentos do CTTi nas ferramentas e sistemas de diagnóstico já fazem parte do DNA da Cia. DPaschoal – empresa brasileira que atua em diversos segmentos, entre eles a distribuição de peças (DPK) e serviços automotivos (DPaschoal). No entanto, na última década, o Centro de Tecnologia, Treinamento e Inovação adotou o lema “medir e testar antes de trocar” para assegurar a confiança dos clientes.

Desde então, os resultados têm sido uma série de inovações que contribuem para estimar a vida útil das peças e auxiliar os clientes a tomar a decisão mais correta no momento das revisões de segurança. Isso vem auxiliando, inclusive, na diminuição dos gastos com substituições desnecessárias de peças e com a redução do impacto ao meio ambiente com os descartes.

Ferramentas úteis do CTTi

Somente o sistema de frenagem conta com quatro ferramentas bem úteis para avaliação e diagnóstico: o teste eletrônico do fluído de freio, o paquímetro, o medidor de espessura da pastilha e o relógio comparador.

O teste de fluido de freio, por exemplo, permite detectar a presença de água, o que pode prejudicar o seu funcionamento. O fluído é responsável por transmitir o movimento de pisar no pedal para as rodas.

O paquímetro mede a espessura do disco de freio e o diâmetro do tambor. Se as dimensões estiverem abaixo do recomendado, a informação fornecida pela ferramenta ajuda a avaliar se compensa mais a normatização do material – conhecida como o serviço de retífica – ou a substituição da peça.

Para saber se a pastilha de freio precisa ser trocada – antes avaliada apenas visualmente –, o CTTi utiliza um medidor de espessura. A substituição só é recomendada caso a densidade esteja abaixo de 2 milímetros.

Já o relógio comparador com base magnética identifica, com um ponteiro, se o disco de freio está empenado, fato que – quando ocorre – geralmente ocasiona vibrações no pedal, no volante ou mesmo, em casos mais extremos, na carroceria do veículo. Uma vez detectado o problema, é possível avaliar se há reparo a fazer ou não.

Pneus, injeção e para-brisa
Para verificar se os pneus estão em condições de rodagem, o CTTi utiliza o profundímetro, uma espécie de régua que mede a profundidade de sulcos. É recomendada a troca a partir de 2 milímetros para reduzir os riscos de acidentes e a possibilidade de multa, já que, por lei, os sulcos devem medir 1,6mm, no mínimo. Cerca de 20% dos atendimentos prestados por guinchos estão relacionados aos pneus.

Para o sistema de injeção, a ferramenta desenvolvida pelos engenheiros do CTTi consiste na avaliação da câmara de combustão por meio de vídeo, como em um procedimento de endoscopia. Utilizando um gabarito de análise, o técnico apresenta ao cliente a medida mais adequada para o perfeito funcionamento desse sistema.

Muitas outras ferramentas
A DPaschoal adota muitas outras ferramentas importantes nas revisões de segurança, como o analisador do braço da palheta dos limpadores de para-brisa. Não adianta a palheta estar em bom estado se o braço estiver com pressão e posição erradas.

Dependendo dos resultados exibidos pelo gabarito, uma espécie de carrinho atesta a eficácia da palheta (quando suas quatro rodas tocam o para-brisa). A partir daí, a solução pode ser apenas um pequeno ajuste.

O testador de bateria é outra tecnologia importante. Uma vez conectado aos polos, ele imprime, em menos de três minutos, um laudo – muito parecido com um exame de sangue completo – sobre a real situação da bateria.

Revisão e informações futuras
Graças à ajuda dessas tecnologias, para analisar os mais de 40 itens dos diferentes sistemas do automóvel numa revisão de segurança, o procedimento não demora mais do que 35 minutos.

A Revisão de Segurança é uma plataforma inteligente, pois todos os dados obtidos pelo mecânico, na frente do cliente, são lançados em um sistema. Com base em fórmulas matemáticas desenvolvidas pelo CTTi, o sistema indicará a hora certa para a troca das peças. “Cuidar do carro do cliente e entregar informações confiáveis no momento adequado é o nosso desafio e a meta número 1”, explica Leandro Vanni.

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: