Temendo perda de votos, Marina Silva veta participação de Haddad em sabatina

Disposta a evitar a transferência de votos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao vice de sua chapa, a candidata da Rede à Presidência, Marina Silva, tem vetado a participação do ex-prefeito Fernando Haddad em atividades reservadas aos presidenciáveis.

Marina ocupa o segundo lugar nas pesquisas, atrás de Jair Bolsonaro (PSL), nos cenários em que Lula é excluído da disputa. A ascensão de Haddad poderia tirá-la da corrida presidencial. 

No domingo (26), por intermédio de sua coordenação de campanha, Marina ameaçou enviar seu vice, Eduardo Jorge, para representá-la nesta terça-feira (28) na série de sabatinas oferecida pelo jornal O Estado de S. Paulo e FAAP, caso Haddad fosse o entrevistado no lugar de Lula nesta quinta-feira (29). Sua manifestação levou ao cancelamento da sabatina de Haddad até que seja solucionado o impasse jurídico a cerca da candidatura petista.

“Devido ao impasse jurídico referente à campanha do PT à Presidência, o Estado decidiu suspender a sabatina com o candidato a vice pelo partido, Fernando Haddad, marcada originalmente para a próxima quinta-feira, dia 30”, diz o jornal, informando que a sabatina será reagendada quando a Justiça Eleitoral tomar uma decisão sobre a candidatura petista.

Coordenadora da campanha, a jornalista e ex-vereadora Andrea Gouvea Vieira afirma que, em todas as reuniões para a definição de regras de debates, os candidatos se opõem à participação do vice porque existe uma lógica neles. “Todos os candidatos se manifestaram contra. O debate não é de vices”, afirma.

No caso específico da sabatina  Estadão-FAAP, Andrea conta que, originalmente, Marina não participaria e alega que a coordenação da campanha fez um esforço para encaixar a entrevista na agenda da candidata.

“Só ontem [domingo], fomos informados de que Haddad seria sabatinado. Eu disse que se soubéssemos que se pode mandar o vice, a gente mandaria o Eduardo Jorge, que a representaria muito bem”, relatou Andrea.

Não é a primeira vez que Marina se opõe a pedidos da campanha do PT. Na sexta-feira (17), ela foi contra a manutenção de uma cadeira vazia no estúdio da RedeTV!, gesto que simbolizaria a ausência de Lula no debate realizado pela emissora em parceria com a revista IstoÉ.

À exceção de Guilherme Boulos (PSOL), todos os candidatos presentes se opuseram à permanência de uma cadeira vazia.

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: