Empresa de aplicativo do “Mensalinho do Twitter” apaga conteúdos da internet

Depois que a influenciadora Paula Holanda denunciou, no Twitter, a existência de aplicativos que estavam pagando pessoas para compartilhar conteúdo positivo sobre o PT, a internet foi tomada por relatos de pequenos e grandes influenciadores digitais que participaram ou não do caso. São retratações, negações, descrições de como funcionavam os pagamentos. Passada a surpresa do primeiro momento, ainda há muito mais dúvidas que certezas sobre o assunto. Quantas pessoas foram pagas? Quanto foi investido nessas parcerias? E, principalmente, de onde veio o dinheiro que alimentou o que foi apelidado de “Mensalinho do Twitter”?

A Follow, responsável pelos aplicativos “Follow Now” e “Brasil Feliz de Novo”, nunca negou ou escondeu o fato de que estava remunerando pessoas físicas para que compartilhassem conteúdo nas redes sociais. São muitas as publicações em sua página do Facebook convidando “ativistas digitais” em potencial para o aplicativo. E mencionando abertamente inclusive os valores de remuneração. Todas essas informações também já foram devidamente explanadas pelos “influenciadores” que foram contatados pela Follow e pela Lajoy, agência de marketing responsável, segundo sua proprietária, por encontrar e manter os diálogos com essas pessoas.

Quando o caso explodiu no Twitter, não demorou muito até aparecer um vídeo publicado no canal do Youtube da Follow que detalhava todo o sistema. Nele, Breno Nolasco, ex-assessor do deputado Miguel Corrêa (PT-MG), explica exatamente a forma como os influenciadores precisam trabalhar e como os pontos – que serão transformados em bonificações – são contabilizados. Acontece que a Follow apagou o vídeo de seu canal tão logo as denúncias apareceram. A página da empresa no Youtube, agora, está vazia.

Os dois aplicativos envolvidos no esquema continuam disponíveis para download tanto na Apple Store quanto no Google Play. A página da Follow no Facebook também segue ativa e nenhuma publicação parece ter sido apagada de lá. A última postagem foi feita na segunda-feira (27). “Você sabia que nós somos um dos maiores geradores de renda do país entre os aplicativos de trabalho? Isso mesmo, com o nosso app você se mantém informado sobre os principais temas do Brasil, oferece informação de qualidade para a sua rede de amigos e ainda recebe por isso! Quer ser um ativista digital? Vem cá: follownow.com.br #FollowNow #influenciadordigital #rendaextra #marketing”, diz o texto.

Mas quem ainda quiser participar da ação terá alguma dificuldade, uma vez que um formulário que antes estava disponível no site da Follow agora está bloqueado. Intitulado “Formulário de indicação para a plataforma ‘Follow Now’”, ele mostra apenas uma mensagem: “o formulário Formulário de indicação para a plataforma ‘Follow Now’. não aceita mais respostas. Entre em contato com o proprietário do formulário se você achar que isso é um erro”.

O Ministério Público Eleitoral de Minas Gerais e o do Piauí abriram apurações sobre o caso. A suspeita é de que a prática configure crime eleitoral.

Outro lado

“Em nota, o PT afirmou que “não contratou nem pagou nenhuma empresa para fazer divulgação remunerada de conteúdos nas redes sociais. O PT não pratica nem precisa desse tipo ação. O partido construiu forte presença nas redes sociais, sempre baseada no engajamento espontâneo”.

LEIA MAIS: Como operam os aplicativos de compra de compartilhamento de notícias do PT

Sobre o caso, Joyce Faletti, dona da Lajoy, também se manifestou por meio de nota. “Fui contratada, para o mês de junho e julho, pela empresa Be Connected para dar consultoria sobre quais jovens profissionais tecnológicos e digitais de esquerda eram aptos a construir e sugerir a melhor tática (conteúdo: posts, memes e gifs) de apresentar a proposta para quando chegasse o período eleitoral. Não havendo nenhuma contratação pela minha empresa para este período. Através da minha experiência, conhecimento e proximidade com os influencers, indiquei os que, como eu, discutem e fortalecem as causas progressistas de esquerda. Apenas seguindo a solicitação do nicho pedido pela Be Connected. Não é surpresa pra ninguém que me acompanha que eu sempre fui de esquerda e sempre fui Lula Livre e sempre fui petista e apoio o PT.  A Lajoy existe há 8 anos. Nossa credibilidade foi conquistada com muito trabalho e responsabilidade. Neste caso, não agimos diferente. Temos segurança da qualidade do nosso trabalho e da parceria consistente com nossos clientes e parceiros.”

O telefone fornecido na página da Follow no Facebook não funciona e o e-mail enviado pela reportagem não foi respondido até o momento.

VEJA TAMBÉM: Em vídeo, ex-assessor de petista explica como funciona o ‘mensalinho do Twitter’

O deputado Miguel Corrêa nega ser dono da Beconnected, mas admite que “em alguns trabalhos Follow e Be Connected apresentaram para clientes análises de monitoramentos de redes de perfis reais de grandes influencers para apontar comportamento e análise deste novo ambiente de debate democrático, de onde nasceram movimentos de unificação de conteúdo”. À Gazeta do Povo, ele disse ser um apoiador de startups e pequenas empresas, o que justificaria o fato de várias delas funcionarem no mesmo endereço. Corrêa negou a existência dos pagamentos a influenciadores.”

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: