Geraldo Alckmin entra com ação para proibir divulgação de pesquisa do Datafolha

O candidato à presidência Geraldo Alckmin (PSDB) abriu uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE ) nesta quarta-feira que busca barrar a divulgação da pesquisa do Datafolha com presidenciáveis. O levantamento foi registrado no tribunal na terça-feira (4) para ser realizado e divulgado na próxima segunda-feira (10).

Os advogados da coligação da candidatura de Alckmin, “Para unir o Brasil”, argumentam que a pesquisa não pode ser publicada porque substituiu no questionário o nome de Luiz Inácio Lula da Silva pelo de Fernando Haddad, vice na chapa do PT à Presidência da República.

VEJA TAMBÉM: Pesquisa Ibope para presidente confirma Bolsonaro na liderança; veja os números

A candidatura de Lula ao Palácio do Planalto foi barrada pelos ministros da corte eleitoral, por 6 a 1, na madrugada do último sábado (1º) com base na Lei da Ficha Limpa em razão de ele ter condenação em segunda instância pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. O ex-presidente está preso desde abril, em Curitiba.

Impugnação de pesquisa

O advogado da Folha de S.Paulo, Luís Francisco Carvalho Filho, criticou a ação do ex-governador paulista.

“Ao impugnar a pesquisa, o candidato Geraldo Alckmin revela seu lado obscurantista. Maneja o recurso indecente da censura para trazer desinformação ao processo político”, afirmou.

O pedido será analisado no TSE pelo ministro Carlos Bastide Horbach.

A decisão do TSE contra Lula estabeleceu que o PT pode substitui-lo até o dia 11 —Haddad é o favorito para assumir seu posto de candidato à Presidência da República.

Segundo os advogados de Alckmin, “tem-se que ainda não existe pedido de registro de candidatura à Presidência da República pela Coligação Brasil Feliz, sendo certo, ainda, que Fernando Haddad não é candidato ao cargo titular, visto que está registrado como candidato a vice-presidente”.

“A pesquisa em apreço não retrata o quadro eleitoral do momento em que está sendo realizada e do momento em que seu questionário é submetido ao registro”, diz o pedido ao TSE.

Defesa de Alckmin

A defesa do candidato do PSDB pede ainda que o Datafolha “seja proibido de divulgar a pesquisa eleitoral ora impugnada até solução definitiva do presente incidente de impugnação de pedido de registro”.

“Se o PT quer estar na pesquisa, tem que ter candidato”, disse à reportagem o advogado Ricardo Penteado, um dos que representam a coligação de Alckmin no TSE.

DESEJOS PARA O BRASIL:Democracia aprofundada, com uma política moralmente exemplar

O Datafolha cancelou registro de pesquisa eleitoral nacional que seria realizada de 4 a 6 de setembro devido à decisão do TSE que rejeitou o registro de candidato de Lula. O registro da pesquisa para presidente da República, de código BR-02553/2018, havia sido feito na sexta-feira (31), antes do término da votação do TSE que vetou a candidatura de Lula, na madrugada de sábado (1º).

Como o questionário contemplava cenário com o nome do candidato impedido, o instituto decidiu não aplicá-lo e realizar um novo registro para divulgar os resultados no dia 10.

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: