Policiais presos em operação no Rio participaram de campanha de filho de Bolsonaro

Dois policiais militares que participavam de agendas da campanha do deputado estadual Flávio Bolsonaro, candidato ao Senado pelo PSL do Rio e filho do presidenciável Jair Bolsonaro, foram presos na semana passada na Operação Quarto Elemento. A ação, desencadeada pelo Ministério Público Estadual, investiga suposta quadrilha de policiais especializada em extorsões. Os irmãos gêmeos PMs Alan e Alex Rodrigues de Oliveira estavam entre os 46 suspeitos que tiveram prisão decretada pela Justiça.

Nas últimas semanas, eles acompanharam Flávio em agendas na zona oeste da capital fluminense. Segundo integrantes da campanha, os irmãos policiais atuavam dando apoio de segurança nos eventos de campanha do candidato ao Senado.

VEJA TAMBÉM: Aplicativo que foi utilizado por influenciadores pagos tenta apresentar Haddad

Alan e Alex se aproximaram do PSL por meio da irmã, Valdenice de Oliveira Meliga. Ela é uma das assessoras do deputado estadual e tesoureira do partido no Rio.

A funcionária está nomeada no gabinete de Flávio como cargo de confiança na Liderança do PSL. Em junho, recebeu salário de R$ 6.490.

A prisão dos PMs causou mal-estar na campanha de Flávio. Um dos motes dos Bolsonaro é o enfrentamento dos criminosos. O presidenciável e seus filhos (além de Flávio, o vereador no Rio Carlos Bolsonaro e Eduardo, deputado federal por São Paulo) defendem rigor no combate aos criminosos.

LEIA TAMBEM: Fachin vai relatar um dos recursos de Lula no STF para manter candidatura

Na terça-feira, 4, Flávio negou, pessoalmente e por nota, que os irmãos integrassem a sua campanha. Valdenice, porém, afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que os dois atuavam como voluntários em agendas do parlamentar. Ela disse que os irmãos são inocentes.

Foto em rede social

Em foto postada em uma rede social, o deputado estadual e o candidato à Presidência aparecem na festa de aniversário dos policiais, no bairro de Campo Grande.

“Essa família é nota mil”, escreveu Flávio em sua página no Instagram, ao comentar a imagem.

Homenagens

Outros três policiais denunciados na Operação Quarto Elemento foram homenageados por Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio. Os PMs Leonardo Ferreira de Andrade e Carlos Menezes de Lima e o policial civil Bruno Duarte Pinho receberam “Moções de Louvor e Congratulações” por “serviços prestados à sociedade”.

Ganharam as honrarias por ações policiais bem-sucedidas que empreenderam ou das quais participaram.

Acusações

Segundo denúncia do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio, a suposta quadrilha de policiais extorquia dinheiro de pessoas que estavam em situação ilegal.

Segundo o MP, os suspeitos “estavam reunidos em torno de um objetivo comum: identificar possíveis infratores da lei, seu potencial econômico e realizar batidas policiais contra eles, sempre com a intenção de flagrá-los cometendo crimes ou irregularidades administrativas”.

“A partir dessa situação, em vez de seguir a lei, os denunciados exigiam uma quantia em dinheiro para que os infratores não fossem presos ou tivessem as mercadorias apreendidas e sofressem os devidos procedimentos legais”, afirma o Ministério Público.

DESEJOS PARA O BRASIL: Uma política moralmente exemplar

Os crimes investigados na Operação Quarto Elemento são organização criminosa, corrupção, extorsão, concussão e peculato, entre outros.

Os gêmeos Alan e Alex, segundo o MP, eram sócios em um loteamento irregular na zona oeste. Eles são suspeitos de constituir, integrar, financiar e promover organização criminosa.

Em janeiro deste ano, Alan já havia sido preso por agentes da Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança do Rio por outra acusação. Ele estaria envolvido na extração e venda ilegal de barro em um terreno em Paciência, na zona oeste do Rio, e também em vendas de um loteamento ilegal.

Já os policiais militares Leonardo Ferreira de Andrade e Carlos Menezes de Lima, homenageados por Flávio, segundo o MP, eram “X9” (informantes) do grupo. Também davam, de acordo com os promotores, os chamados “botes” – quando os policiais realizavam as operações de extorsão.

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro põe eleições sob suspeita caso não vença no primeiro turno

Em uma dessas ações, conforme a investigação, Leandro e outros policiais estiveram em fevereiro do ano passado em um frigorífico em Vista Alegre.

No local, constataram a existência de alimentos em condições impróprias para consumo (fora de validade e com padrões de higiene questionáveis). Exigiram R$ 30 mil para que o dono não fosse preso em flagrante.

Meses depois desta ação, em setembro, Leonardo recebeu uma “Moção de Louvor e Congratulações” na Alerj, proposta por Flávio Bolsonaro.

“São incontáveis as páginas de glórias e sacrifícios que atestam o compromisso de seus valorosos integrantes no sentido de estarem sempre prontos, não importando os custos pessoais, a oferecer ao povo do Rio de Janeiro a segurança e a paz social necessárias a seu desenvolvimento e vida harmoniosa”, disse o deputado na ocasião.

A reportagem não localizou os advogados dos policiais citados.

Outro lado

Em entrevista no fim da manhã desta quarta-feira, 5, o candidato do PSL ao Planalto, Jair Bolsonaro, disse que não tem ligação com os dois policiais militares presos. Na conversa com os jornalistas, Bolsonaro disse que “99%” dos policiais militares do Estado apoiam sua candidatura e a de seu filho e que a participação de agentes nas campanhas é “voluntária”. “Olha, não trabalhavam para mim ou pra ele, não”, afirmou. “Já votaram nele ou já trabalharam voluntariamente pra ele, como tem alguém da imprensa aqui que já votou em mim também”, completou. “Então, não podemos nos responsabilizar por atos de terceiros”, disse. “Errou, vai pagar a conta. Agora, esses policiais com toda a certeza já votaram em mim também.”

O deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) negou ter ligações com os policiais militares Alex e Alan Rodrigues de Oliveira. “Eles são irmãos da Valdenice (de Oliveira Meliga), que é um dos pilares do nosso trabalho de política aqui no Rio. Mas os irmãos dela não trabalham comigo. De vez em quando aparecem (nas agendas), mas não tem vínculo nenhum comigo”, disse o deputado, ao ser questionado na terça-feira (4) pela reportagem do jornal O Estado de S. Paulo.

Flávio afirmou também não saber do que os irmãos são acusados. “Não sei se é grave ou não. Não parei para ver ainda”, disse. “O Alan e o Alex não têm nada a ver comigo, são simpatizantes”, declarou.

Valdenice disse que seus irmãos “não trabalhavam para a campanha”, mas atuavam como “voluntários” quando estavam de folga em seu serviço na Polícia Militar.

“Sim, eles aparecem nos vídeos. Eles acompanham, como não vão aparecer? Eles acompanham em alguns momentos, quando estão de folga”, afirmou a assessora.

Sobre as homenagens aos outros três presos – os PMs Leonardo Ferreira de Andrade e Carlos Menezes de Lima e o policial civil Bruno Duarte Pinho -, Flávio disse que costuma conceder honrarias a vários policiais “por alguma situação específica”, como “porque prendeu algum marginal importante ou porque conseguiu impedir uma quadrilha importante de roubo de carga”.

Duas horas depois da entrevista, Flávio enviou um e-mail à reportagem no qual afirmou que não tem “qualquer vínculo com nenhum” dos PMs. “Dois deles são irmãos da Valdenice, excelente e competente assessora do PSL, e não trabalham comigo. Quantos aos dois policiais, de fato homenageei com moções, ambos por importantes atuações em prisões de marginais, um deles em 2007 e outro em 2017. Sou deputado há 16 anos e seguirei homenageando policiais que se destaquem no combate ao crime.”

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: