Estado de saúde de Bolsonaro é estável após cirurgia e facada

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) foi submetido nesta quinta-feira (6) a uma laparotomia exploratória na Santa Casa de Juiz de Fora após ser atingido por uma facada durante um evento da campanha na cidade mineira. A cirurgia – que é de emergência, realizada com a abertura do abdômen – foi para verificar a extensão dos danos causados pelo ferimento. Os médicos verificaram a necessidade da cirurgia após exames de ultrassom.

Segundo apurou a reportagem, a laparoscopia descartou um lesão no fígado do candidato, mas constatou outra cinco lesões: na artéria mesentérica superior (que sai da aorta e irriga o intestino e outros órgão dos abdômen), no intestino grosso e três lesões no intestino delegado.

Todas as lesões foram reparadas com sucesso. Os detalhes serão divulgados em coletiva de imprensa pelo hospital em breve. No início da noite, Bolsonaro estava estável, com pressão arterial normal, hemorragia controlada e sem risco iminente de morte.

Leia também: Filho de Bolsonaro diz que pai chegou “quase morto” no hospital

Bolsonaro chegou ao hospital em estado grave. Por causa da extensa perda de sangue, ficou hipotenso (com pressão baixa) e chegou a entrar em choque, uma estado crítico com baixas funções vitais. Segundo publicação de seu filho, Flávio Bolsonaro, no twitter, a pressão do candidato teria chegado a 10 por 7, quando o normal é 12 por 8.

O presidenciável do PSL foi operado pelos médicos Cícero de Lima Rena, cirurgião coloproctologista (intestino), e Glaucio Silva de Souza, cirurgião especialista em fígado, além de uma extensa equipe. Os médicos conseguiram estabilizar o estado de saúde dele. De acordo com fontes ouvidas pela reportagem, a cirurgia já terminou e os ferimentos foram suturados.

Leia também: Facada em Bolsonaro acentua polarização e terá efeito nas urnas

O hospital Sírio-Libanês foi acionado pela família de Bolsonaro e decidiu enviar médicos a Juiz de Fora para avaliar o estado de saúde do candidato à Presidência. A equipe, que deve viajar ainda nesta quinta, analisará se é possível, e mesmo necessário, transferir o candidato para São Paulo.

O pós-operatório, no entanto, pode ser complicado e por isso se avalia a conveniência de ele vir para o Sírio-Libanês.

Mais na Gazeta do Povo!



Leia Também:
Anterior:

Próxima: