Na véspera de prazo para assumir candidatura, Haddad passa o dia em reunião decisiva com Lula

Na manhã desta segunda-feira (10), o candidato a vice-presidente pelo PT, Fernando Haddad, esteve mais uma vez na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, para conversar com o ex-presidente Lula. O assunto era os próximos passos do partido nas eleições de 2018.

O PT tem até esta terça-feira (11) para substituir o nome de Lula como cabeça de chapa na campanha. Um ato foi marcado para amanhã em Curitiba, para oficializar Haddad como candidato a presidente, mas o PT ainda estuda a possibilidade de transferir o ato para São Paulo. Assim como na semana passada, Haddad passou a manhã reunido com Lula. Depois, saiu para almoçar e voltou à tarde para continuar a conversa.

LEIA MAIS: 5 pontos para entender o capítulo final da troca de Lula por Haddad

Os advogados do ex-presidente divulgaram, perto das 13 horas, que o Comitê de Direitos Humanos da ONU expediu nova decisão para que seja aceita a candidatura petista. Segundo Cristhiano Zanin e Valeska Zanin, as decisões devem ser acatadas pela justiça brasileira, pois o país se comprometeu por meio de diversos acordos e tratados internacionais a cumprir decisões deste comitê. “O candidato Lula deve concorrer às eleições , segundo uma decisão, agora reafirmada, pelo Comitê de Direitos Humanos da ONU”.

Na noite deste domingo (09), a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, manteve essa terça-feira (11) como data limite para a substituição de Lula. Ela negou o pedido da defesa, para que o limite para a substituição fosse prorrogado para o dia 17 de setembro.

A defesa de Lula ainda corre contra o tempo para manter o ex-presidente como candidato por mais tempo. Os advogados vai apresentar dois pedidos de liminares ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, nesse sentido. O primeiro tem como objetivo suspender a decisão do TSE que barrou a candidatura de Lula. O segundo, para que ele interrompa o prazo para substituição do petista até que o plenário do Supremo se debruce sobre o caso.

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: