Cacique do Patriota quer renúncia de Daciolo se ele não chegar a 5% nas pesquisas

A candidatura de Cabo Daciolo, do Patriota, à Presidência da República pode estar com os dias contados. A depender do presidente nacional da legenda, Adilson Barroso, Daciolo deve renunciar à essa postulação se, nas pesquisas a serem divulgadas nesta semana, não ultrapassar os 5% das intenções de voto, performance que parece um tanto inalcançável. Nos dois levantamentos dos últimos dias (Datafolha e Ibope), Daciolo aparece estagnado com 1% dos votos, em 10º lugar entre os 13 candidatos.

Em mensagem encaminhada no grupo de WhatsApp do Patriota, na terça-feira (11), Barroso publicou esse “conselho” a Daciolo. A Gazeta do Povo teve acesso ao conteúdo da mensagem. O presidente da legenda sugere que o presidenciável renuncie até o próximo dia 17, prazo-limite para substituição de candidatos, e dispute a reeleição para a Câmara. Para substituir Daciolo na chapa presidencial, Barroso recomenda a própria esposa do candidato, Cristiane Daciolo, que faz o papel de assessora de imprensa da campanha.

LEIA TAMBÉM: Cabo Daciolo mantém jejum de 21 dias em monte e dará ‘canos’ em entrevistas e debates

Barroso diz que será melhor para Daciolo renunciar para poder, reeleito deputado, se manter na política. Na sua articulação, o presidente do partido defende que o irmão de Daciolo, Alencar Daciolo, que disputa uma vaga na Câmara, tente uma vaga para deputado estadual. 

“Eu aconselho nosso candidato a presidente da República que, caso ele não saia com mais de 5% nas próximas pesquisas, e para que ele não saia em outubro do cenário político (com uma derrota eleitoral), até dia 17 deste mês dá tempo de ele colocar o irmão dele como estadual, e ele poderá entrar para candidato a deputado federal no lugar do irmão, e ter mais um mandato político”, escreveu Adilson Barroso na mensagem aos correligionários. 

Interesse no Fundo Partidário

Para Barroso, Daciolo tem uma reeleição garantida para a Câmara. E quanto maior a bancada de deputados, maior o valor de recursos do Fundo Partidário. Além disso, a nova lei eleitoral tem como um dos critérios de acesso a esse dinheiro que um partido faça uma bancada com nove deputados federais, em nove unidades diferentes da federação. 

LEIA TAMBÉM: 5 motivos que levam o eleitor a votar em Bolsonaro e nos outros candidatos

Segue a mensagem de Barroso, com seu arranjo político. “Pois, como candidato a deputado federal, certamente ele (Daciolo) está garantido. E a esposa dele pode ser a nossa candidata a presidente da República no lugar dele. Assim, ele continua forte e, como já falei, garante mais um mandato de deputado federal, e não corre risco de ficar como eu”, diz Barroso, que relata que, quando não se elege a nada, os amigos somem. 

No final, ele pede desculpas a Daciolo por defender sua renúncia. “Peço desculpas ao nosso presidente Cabo Daciolo, mas alerto que se ele perder a eleição os amigos com certeza sumirão todos, e ele tem que ficar só com o salário de cabo da Polícia Militar do Rio de Janeiro, que é um dos menores salários de militares no Brasil”. 

Campanha abandonada

No último parágrafo, o presidente do Patriota volta a fazer esse apelo, e reduz a exigência de desempenho de Daciolo nas pesquisas para o patamar entre 3% a 5%. E que aguarda um novo momento para disputar o Palácio do Planalto. 

LEIA TAMBÉM: Por que as pesquisas para presidente desta semana mostram números diferentes?

“Então, mais uma vez, sugiro ao nosso amigo Cabo Daciolo, que se ele não passar de 3% ou 5% nas pesquisas, renuncie à candidatura de presidente da República e coloca a esposa, se for o caso, no lugar dele. E ele sai candidato no lugar do irmão. Assim, certamente ele ganha a eleição e continua fazendo um trabalho para continuar crescendo para na hora certa ser candidato a presidente da República de novo. Sugestão minha”, encerra a mensagem de Barroso.

Para o comando do partido, Daciolo abandonou a campanha. Ao conseguir algum sucesso de público, mas não de voto, ele decidiu ir para o monte orar e jejuar e não participa mais de debates e entrevistas. Também não tem feito campanha na rua nem para si e para integrantes da legenda. 

Metodologias das pesquisas

O Datafolha fez 2.804 entrevistas presenciais em 197 municípios, realizada no dia 10 de setembro de 2018. A margem de erro máxima é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança de 95%; A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR 02376/2018. Contratantes: Folha de S.Paulo e TV Globo.

O Ibope ouviu 2.002 entrevistados entre 8 e 10 de setembro de 2018. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. O levantamento foi registrado no TSE sob o n.º BR-05221/2018. Contratada por Rede Globo.

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: