Nem advogado de agressor de Bolsonaro descarta participação de terceiros

Um dos quatro advogados de Adelio Bispo de Oliveira, Zanone Manuel de Oliveira Junior tem alguns palpites sobre o desfecho do caso de seu cliente, que desferiu uma facada em Jair Bolsonaro, candidato à presidência pelo PSL.

Uma das opiniões é que o inquérito de seu cliente deve ser concluído ainda nesta semana pela Polícia Federal e, na sequencia, aconteça o indiciamento. Apesar disso, a situação pode se arrastar, já que a PF deve abrir outro inquérito para apurar a participação de terceiros que podem ter incentivado – ou até mesmo encomendado – o crime.

LEIA TAMBÉMFacada em Bolsonaro: veja tudo o que se sabe até agora sobre a investigação

Nem mesmo o Zanone Junior descarta que houve a participação de outras pessoas: “O que mais acontece é o cliente mentir para seu advogado. E se terceiros existem, isso virá a tona”. O advogado afirma que o autor confesso do atentado ao presidenciável vem mantendo a versão de que agiu sozinho e tentou tirar a vida de Bolsonaro por motivos políticos e religiosos.

Segundo o advogado, a expectativa é que o indiciamento seja por atentado pessoal por inconformismo político, crime previsto no artigo 20 da Lei 7.170/1983, também conhecida como Lei de Segurança Nacional.

A principal requisição da defesa, neste momento, é a realização de um laudo de sanidade mental, o que foi negado pela justiça nesta quarta-feira (12).

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: