Eleição tem 6 candidatos com mais de 90 anos. Um deles é pai de um astro do rock

Como você se imagina quando estiver aposentado? E com 90 anos? Para seis brasileiros em particular, ser eleito nas urnas está entre os desejos deles para o próximo ano. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) recebeu seis registros de candidatura em agosto deste ano, cujos candidatos têm mais de 90 anos ou terão essa idade em 2019. O número é o dobro do registrado nas eleições municipais de 2014.

Quatro deles tentarão uma vaga como deputado estadual, um como deputado federal e outro para suplência ao Senado. A lista traz um nome conhecido no cenário político nacional, o ex-governador de Tocantins, Siqueira Campos, e outros absolutamente novos para o eleitores. Um dos pretendentes a uma cadeira na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro é pai de um conhecido astro do rock nacional.

VEJA TAMBÉM: Informações sobre as eleições 2018, com resultados de pesquisas e lista de candidatos

As motivações desses candidatos quase centenários também são diversos. Abrangem melhorar a vida dos aposentados, ajudar a reestruturar o sistema educacional, planos para o transporte público e até tentar recuperar a credibilidade perante os eleitores. Embora não tenham intimidade com as tecnologias atuais e não gostem muito de falar ao celular, alguns até se arriscam nas redes sociais para atrair votos. Confira quem são e o que a Gazeta do Povo descobriu sobre eles.

Albertina Neri (PDT)

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/09/14/Republica/Imagens/Cortadas/Albertina Neri-kAyH-ID000002-1024x687@GP-Web.JPG

Pedagoga, com 89 anos, a sua primeira participação em eleições foi em 2004, quando concorreu para o cargo de vereadora na cidade do Rio de Janeiro. Depois concorreu como deputada estadual em 2006 e 2010, sem se eleger, também na cidade maravilhosa. Em seu perfil do Facebook, exibe uma certa fascinação pelo ex-governador Leonel Brizola, fundador do PDT, seu contemporâneo e amigo pessoal. Caso eleita, iniciará o mandato com 90 anos. Sua maior bandeira é a educação, a qual acredita estar totalmente desestruturada no país.

Jose Frejat (REDE)

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/09/14/Republica/Imagens/Cortadas/Jose Frejat-kAyH-U2037928244888GG-1024x681@GP-Web.JPG

O advogado, com 94 anos, tem uma longa trajetória política. Desde antes do golpe militar de 1964 esteve presente em eleições para Câmara do Rio de Janeiro, até que, em 1975, foi eleito vereador da cidade, mandato que cumpriu até 1978, ano em que foi eleito deputado federal e optou por desempenhar o cargo estadual.

Com a extinção do bipartidarismo, em 29 de novembro de 1979, e a consequente reformulação partidária, Frejat filiou-se ao PDT, integrando a Comissão Executiva Nacional da sigla. Em 1986, se candidatou a senador pelo Rio de Janeiro, porém, com 351 mil votos, não conseguiu ser eleito. Cumpriu o tempo que restava na Câmara de Vereadores e depois deixou o partido para ingressar no PSB, onde ficou pouco tempo, até se filiar, em 1989, ao PSDB de Mário Covas e Franco Montoro.

Não ocupou mais nenhum cargo eletivo desde que deixou o PDT, embora tenha trabalhado em várias pastas dos governos estadual e municipal. Uma curiosidade a seu respeito é que é pai do cantor Roberto Frejat, que integrou a banda de rock Barão Vermelho e hoje tem carreira solo. Neste pleito tentará uma vaga na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e é o candidato com a maior idade registrada neste ano.

Machadão (MDB)

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/09/14/Republica/Imagens/Cortadas/Machadao-kAyH-U203792824488fZH-1024x682@GP-Web.JPG

O jornalista aposentado Orlando Machado Sobrinho, de 91 anos, concorreu em 2006, ao cargo de deputado estadual no Rio de Janeiro e este ano tenta novamente um cargo no Legislativo estadual. Defende a causa dos aposentados e dedica em seu perfil pessoal no Facebook um espaço para demonstrar suas ideias e seus projetos para a legislatura.

Geraldo Abdala (PPL)

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/09/14/Republica/Imagens/Cortadas/Geraldo Abdala-kAyH-U203792824488A6-1024x696@GP-Web.JPG

Aos 94 anos de idade, concorre a uma vaga na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Aposentado, Geraldo de Oliveira Souza, não apresenta nenhum outro registro no TSE. Uma curiosidade sobre ele é que sua página pessoal no Facebook traz corretamente seu partido, seu número para votação e um pequeno texto com sua apresentação e bandeira de trabalhar pelos aposentados, mas sua foto difere muito da imagem oficial da urna eletrônica.

Mr. Morgan (PV)

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/09/14/Republica/Imagens/Cortadas/Mr Morgan-kAyH-U203792824488PtB-1024x691@GP-Web.JPG

Disputa uma vaga na Câmara dos Deputados por São Paulo, aos 90 anos. Henrique Morgan de Aguiar Filho, em 2016, concorreu a vereador da cidade de São Paulo e chegou a ser suplente. Ficou em evidência durante período de campanha, por, além de sua idade, propor um projeto para transformar ciclovias em trilhos para bondinhos.

Siqueira Campos (Solidariedade)

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/09/14/Republica/Imagens/Cortadas/Squeira Campos-kAyH-U203792824488ApD-1024x683@GP-Web.JPG

Com extensa carreira pública, José Wilson Siqueira Campos, com 90 anos recém-completados no dia 1º de agosto, foi o primeiro governador do estado de Tocantins, onde desempenhou quatro mandatos. No último, em que foi eleito em 2010, renunciou em cinco de abril de 2014, o que gerou nova eleição no estado, pois seu vice também deixou o cargo.

Neste ano ele concorre como suplente ao Senado. Siqueira Campos já teve seu nome ligado a vários escandalos políticos, entre os mais conhecidos está a possível ligação com o bicheiro Carlinhos Cachoeira e a acusação de seu próprio filho, José Wilson Siqueira Campos Junior, na Polícia Federal, dizendo que o pai ocultaria bens e comandaria organização criminosa no estado.

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: