Lula será solto após eleição e terá função em futuro governo Haddad, diz Gleisi

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, acredita que, após a eleição, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será solto. “Eu não tenho dúvidas de que, logo após o processo eleitoral, o Lula vai estar nas ruas novamente”. E disse que o líder petista terá “papel importante e grande” em um eventual governo de Fernando Haddad no Palácio do Planalto. As afirmações foram dadas ao jornal Valor Econômico em entrevista publicada nesta segunda-feira (17). 

A petista é uma das principais interlocutoras do discurso de que Lula é vítima de perseguição política e de um julgamento de exceção. O ex-presidente está preso desde 7 de abril na Polícia Federal, em Curitiba, cumprindo pena de 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. No domingo (16), o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) afirmou, em transmissão ao vivo direto do hospital, que “Haddad eleito concederá indulto a Lula no primeiro minuto da posse”.

Declarações de alguns aliados corroboram a tese do candidato do PSL. “Vamos eleger Haddad presidente da República, e eu tenho certeza que o Haddad irá assinar no seu primeiro dia de governo um indulto para o presidente Lula, irá tirá-lo desta prisão injusta e arbitrária”, disse o governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), no sábado (15). 

LEIA TAMBÉM: Qual a chance de Toffoli pautar ações no STF para libertar Lula antes da eleição?

Contudo, na entrevista, Gleisi disse que Lula “não precisa” disso. “O presidente Lula não precisa de indulto. Precisa de justiça, de um julgamento justo. Vamos trabalhar para que isso aconteça e ele seja liberado o mais rápido possível. O Lula foi preso para não participar da eleição. Eu não tenho dúvidas de que, logo após o processo eleitoral, vai estar nas ruas novamente. Não se justifica a prisão do Lula pelo processo que ele foi julgado e condenado”, disse a presidente da legenda. 

Em sabatina promovida pelo jornal Folha de S.Paulo, UOL e SBT nesta segunda-feira (17), Haddad afirmou que jamais conversou com Pimentel sobre indulto, mas falou com ex-presidente sobre esse tema. O candidato a presidente do PT repetiu que sua posição é a mesma de Lula, que espera ser absolvido pela Justiça brasileira.

Governo em Curitiba

Solto ou não, é certo que Lula terá papel central num eventual governo petista, como tem na campanha, como teve na estratégia até aqui. Ele é o principal nome do partido, a voz, o puxador de votos, por quem todos têm respeito, embora suas ideias não sejam sempre unânimes. 

LEIA TAMBÉM: Pesquisa CNT/MDA – Bolsonaro lidera com 28,2%; Haddad ultrapassa Ciro e chega a 17,6%

Questionada se Lula terá papel central se Haddad for presidente, Gleisi confirmou. “[Terá] papel preponderante na política brasileira ele teria. Se nós estivermos no governo, com certeza vai ter um papel importante e grande. E no partido também. O Lula é nossa grande liderança”. 

Urnas

A estratégia do PT, desde o início da campanha, é grudar a popularidade de Lula em Haddad e apostar nisso para transferir votos. Esse foi um dos motivos que levou o partido a chegar tão longe com o nome do ex-presidente na chapa. 

“Essa identificação com o presidente Lula já estava acontecendo. O Haddad já era candidato a vice, agora os programas de TV estão fazendo fortemente isso. E o Haddad tem sido um leal defensor do presidente, do seu legado, um representante dele mesmo nessa corrida”, disse Gleisi ao Valor. 

O Nordeste é o estado em que o partido é mais forte. Na reta final da campanha, a estratégia é aumentar a presença no Sudeste, ondes estão os maiores colégios eleitorais do país. “Nós temos o desafio também de consolidar nosso eleitorado no Sudeste, que é o grande colégio eleitoral brasileiro. Principalmente São Paulo, Minas e Rio de Janeiro. São Estados que teremos prioridade de participação dele em agendas”, explicou a presidente petista.

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: