‘O preço do voto’: quem é o presidenciável com o melhor custo benefício eleitoral

Líder na última pesquisa Datafolha para presidente da República, o candidato Jair Bolsonaro (PSL) tem o melhor custo-benefício eleitoral até o momento na corrida pelo Palácio do Planalto. Cada ponto percentual manifestado para ele no levantamento, divulgado na sexta-feira (21), representa o equivalente a R$ 10,7 mil dos gastos de campanha declarados até agora ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O capitão do Exército aparece com 26% das intenções de voto nesse Datafolha.

Henrique Meirelles (MDB), que ficou em 6º lugar na mesma pesquisa, tem o voto “mais caro” nessa contabilidade: cada um dos três pontos percentuais obtidos pelo emedebista na pesquisa tem o preço astronômico de R$ 9,7 milhões. 

LEIA TAMBÉM: Alckmin quer se vender como voto útil do centro para barrar o PT no 2º turno

Recém formalizado candidato pelo PT, Fernando Haddad não foi considerado no levantamento da Gazeta do Povo que apurou o “preço do voto” porque não apresentou, até o momento, nenhum registro de gastos com sua campanha. A reportagem descartou registrar os gastos de Lula, já que não representariam a realidade, uma vez que ele teve o registro barrado e, também, porque a Justiça Eleitoral ainda irá analisar se os recursos já utilizados pelo ex-presidente precisarão ser devolvidos. 

O cruzamento do custo de uma campanha com o desempenho eleitoral de cada candidato permite se chegar a algumas conclusões: o combo “tempo de propaganda eleitoral e dinheiro” não se reverte facilmente em intenções de voto. Muito menos transforma um candidato em líder de pesquisa. 

LEIA TAMBÉM: Informações sobre as eleições 2018, com resultados de pesquisas e lista de candidatos

Duas das campanhas com mais recursos e exposição em rádio e TV não decolam. Além do próprio Meirelles, Geraldo Alckmin (PSDB) está em apuros – ele ainda não chegou na casa dos dois dígitos. O Datafolha publica nova rodada de levantamento na próxima quinta-feira (20) e há muita expectativa sobre como será o desempenho dele.

Não foram considerados nesta checagem do preço do voto os candidatos que não alcançaram nem 1%. 

Metodologia

O Datafolha divulgado no dia 14 de setembro entrevistou 2.820 eleitores de 197 municípios entre os dias 13 e 14 do mesmo mês. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Levantamento registrado no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR 05596/2018. Os contratantes da pesquisa foram Folha de S.Paulo e TV Globo.

Mais na Gazeta do Povo!



Leia Também:
Anterior:

Próxima: