Economista de Alckmin não descarta privatizar Caixa Econômica Federal

Responsável pelo programa econômico de Geraldo Alckmin (PSDB), o economista Persio Arida tocou em dois temas delicados nesta sexta-feira (21), em São Paulo: disse que o subsídio dado ao diesel tem que acabar e não excluiu a possibilidade de privatizar a Caixa Econômica Federal.

Ao falar de privatizações num futuro governo Alckmin, Arida excluiu apenas a Petrobras e o Banco do Brasil. “Não quero falar sobre Caixa”, disse. Entre as prioridades, citou a venda da Eletrobras e suas subsidiárias, os Correios, além da atuação “firme” na quebra de monopólios.

“Temos que privatizar refinarias e redistribuição, mas se isso for feito para uma única empresa privada é transferência de monopólio público para privado”, disse ele. A questão, afirmou Arida, é decidir como vender o ativos e se vai ser necessário cindi-los previamente ou não.

LEIA TAMBÉM: Partido do funcionalismo: quase 3 mil servidores disputam as eleições

Arida disse também que o subsídio dado ao diesel está com os dias contados. “Ele tem que terminar, não tem discussão a respeito”, afirmou.

Segundo ele, o que precisa ser pensado é o critério para o reajuste de combustíveis e, nesse sentido, haveria a necessidade de suavizar as oscilações dos preços dos derivados de petróleo, oferecendo uma espécie de compensação por meio de impostos.

“Quando o preço de petróleo e o câmbio subirem muito, a carga tem que cair. Quando os preços caírem, a carga tributária sobre os derivados sobe. E como a carga é federal e estatual é preciso acordo com os estados.”

Crédito subsidiado

Arida também explicou melhor a proposta de Alckmin de criar um programa de crédito subsidiado para microempreendedor. “Para as regiões mais pobres, eu não tenho nada contra, mas no momento em que o Brasil tiver superávit”, disse ele. As contas públicas apresentam déficit de 2014 e a previsão é que o quadro não se altere pelo menos até 2019.

LEIA TAMBÉM: Após polêmica, Bolsonaro volta a negar CPMF e Paulo Guedes cancela agenda

Arida falou ainda que a vinculação do salário mínimo aos benefícios da Previdência precisa ser revista, acompanhando a produtividade, e que os 197 programas sociais hoje existentes precisam passar por um pente fino, concentrados em um único ministério.

Arida defendeu mandato fixo aos diretores do Banco Central e disse que Alckmin já prometeu há seis meses manter o atual presidente do BC, Ilan Goldfjan, e sua esquipe.

Refis do SPC?

Arida negou um programa similar ao de Ciro Gomes (PDT) para ajudar a retirar o nome de inadimplentes do cadastro negativo, mas reconheceu que a promessa impulsionou a candidatura do pedetista.

“Com a anistia, no dia seguinte o spread bancário [a diferença entre o custo de captação dos bancos e os juros cobrados do consumidor] aumenta. E ainda diminui o valor dos bancos públicos no qual o Tesouro é acionista. O Brasil precisa parar com essa história de Refis, de anistia”, afirmou.

Para Arida, a criação de um cadastro positivo ajudaria na queda do spread, assim como uma lei de garantias para empréstimos, o fim do crédito dirigido, a redução do crédito subsidiado e a diminuição de exigências para bancos estrangeiros entrarem no Brasil.

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: