PF vai concluir inquérito sobre ataque a Bolsonaro nesta semana

A Polícia Federal deve concluir nesta semana o inquérito sobre o ataque sofrido pelo candidato Jair Bolsonaro (PSL). O relatório final do caso deve apontar que Adélio Bispo atuou sozinho ao atacar Bolsonaro durante uma agenda de campanha na cidade de Juiz de Fora (MG). O documento deve ser entregue até sexta-feira (28).

Por causa do réu preso, esse primeiro inquérito tem um prazo menor para ser encerrado. A PF continuará a investigação em um novo inquérito a ser instaurado que vai analisar novamente todas as informações coletadas e fazer uma ampla investigação nos dois últimos anos da vida de Bispo.

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro é transferido para quarto após melhora clínica progressiva

Após ouvir mais de 30 pessoas, quebrar os sigilos financeiro, telefônico e telemático de Adélio Bispo, o delegado federal Rodrigo Morais e sua equipe não encontraram nenhum indício de que o autor da facada tenha agido a mando de outra pessoa ou grupo.

Bispo, atualmente preso na penitenciária de segurança máxima de Campo Grande (MS), será enquadrado no artigo 20 da Lei de Segurança Nacional que fala sobre a “prática de atentado pessoal” por “inconformismo político”.

PF deve descartar versões levantadas após o ataque

A conclusão da investigação deve descartar algumas versões levantadas após o ataque. Uma delas, como mostrou o jornal O Estado de São Paulo, é sobre a mulher – identificada na internet como Aryanne Campos – que teria passado a faca ao agressor. Após ouvir três mulheres com esse nome, mapear as imagens do momento do ataque e quebrar sigilos, a PF descartou a possibilidade.

Ao analisar a movimentação financeira de Bispo, a PF também não encontrou nenhuma movimentação suspeita. Um depósito em espécie que seria anormal para o agressor, descobriu-se, era referente a um acerto trabalhista. O cartão de crédito internacional, encontrado na pensão onde ele se hospedou, nunca havia sido utilizado.

DESEJOS PARA O BRASIL: Formar cidadãos éticos para um mundo em transformação

Nos computadores e equipamentos eletrônicos apreendidos com Bispo, até o momento, a PF também não encontrou conversas ou tratativas que apontem para um crime de mando ou existência de mais pessoas no planejamento do ato criminoso.

Entretanto, todos os equipamentos encontrados com ele, HDs dos computadores da lan house que ele frequentou em Juiz de Fora (MG), imagens de câmeras da cidade e o sigilo financeiro continuarão a ser investigados em novo inquérito a ser aberto. O objetivo da PF nesse novo inquérito é realizar uma devassa nos últimos dois anos da vida de Bispo para esgotar todas as frentes de investigação.

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: