Ex-mulher nega ter sido ameaçada de morte por Bolsonaro

Ana Cristina Valle, ex-mulher do candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL), negou ter sido ameaçada de morte pelo seu ex-marido em vídeo divulgado nas redes sociais na terça-feira (25). Atualmente, ela utiliza o nome Cristina Bolsonaro e concorre ao cargo de deputada federal pelo estado do Rio de Janeiro. É filiada ao Podemos. No vídeo, afirmou que, se dependesse dela, Bolsonaro será eleito presidente da República.

No mesmo dia, o jornal revelou que um telegrama do Itamaraty de julho de 2011 registrou que Ana Cristina afirmou então ter sido ameaçada de morte pelo ex-marido por volta de 2009 e que, por isso, teve que deixar o Brasil.

DESEJOS PARA O BRASIL: Formar cidadãos éticos para um mundo em transformação

“A senhora Ana Cristina Siqueira Valle disse ter deixado o Brasil há dois anos [em 2009] ‘por ter sido ameaçada de morte’ pelo pai do menor [Bolsonaro]. Aduziu ela que tal acusação poderia motivar pedido de asilo político neste país [Noruega]”, diz o telegrama.

Outro lado

No vídeo, Ana Cristina contestou a reportagem. “Venho aqui muito indignada desmentir a suja Folha de S.Paulo, [que] publica que o Jair me ameaçou de morte. Nunca. Pai do meu filho, meu ex-marido, ele é muito querido por mim e por todos. Ele não tem essa índole para poder fazer tal coisa. Bom pai, bom ex-marido, foi um bom marido também. Espero que vocês acreditem que essa mídia suja só quer denegrir a imagem dele, porque ele tá em primeiro lugar nas pesquisas e assim vai ficar. Porque eu acredito que ele ganhe em primeiro turno, espero que vocês acreditem também. Então fica aqui meu recado, mídia suja, não adianta, nada vai fazer com que ele caia. Ele tá em pé, depois de tudo o que aconteceu e vai continuar, e vai chegar à Presidência, se depender de mim”.

O vídeo foi divulgado na página “Bolsonaro Opressor 2.0”, no Facebook. Confira:

Mais na Gazeta do Povo!



Leia Também:
Anterior:

Próxima: