Aliados tucanos alvos da Polícia Federal complicam ainda mais a vida de Alckmin 

Não bastassem as dificuldades que já enfrenta na campanha – como a de não alcançar os dois dígitos nas pesquisas a oito dias da eleição –, Geraldo Alckmin (PSDB) acumula uns problemas extras causados por próprios aliados. Em especial, três deles – um candidato a governador e dois ao Senado – que ganharam o noticiário por razão diversa da política: se viram alvos de buscas, apreensões e até prisão.

São três tucanos que, antes desses sobressaltos com a Justiça, vinham bem nas pesquisas e com vitória quase assegurada no pleito. A história, para alguns deles,  agora é outra. 

O ex-governador Beto Richa, do Paraná, que é um dos vice-presidentes da legenda, passou quatro dias preso acusado de integrar um esquema de propina, fruto de licitações irregulares, lavagem de dinheiro e obstrução de Justiça. Foi alvo de prisão temporária, de cinco dias. Ao fim do prazo, o mesmo juiz que o mandou prender determinou que ele e mais nove dos investigados passassem para prisão preventiva. Pouco depois, porém, o ex-governador foi solto graças a uma decisão do ministro Gilmar Mendes, do STF. 

O episódio atingiu em cheio as pretensões de Richa em se eleger ao Senado. Ele, que estava isolado no segundo lugar, caiu onze pontos e tem sua eleição ameaçada. Levantamento feito pelo Ibope*, divulgado na última quinta-feira (27), mostrou o ex-governador com 17% das intenções de voto, empatado dentro da margem de erro (de 3 pontos) com outros três adversários: Flávio Arns (Rede), 17%; Oriovisto Guimarães (Podemos), 15%; e Alex Canziani (PTB), 14%. Roberto Requião (MDB) está isolado na frente com 39%.  

LEIA TAMBÉM: Em baixa nas pesquisas, Alvaro Dias tem uma nova meta: ser o anti-Haddad

Candidato à reeleição em Mato Grosso do Sul, e até com chances de vitória no primeiro turno, o governador Reinaldo Azambuja, também do PSDB, teve sua casa e gabinete alvo de buscas e apreensões na Operação Vostok. É acusado pelo Ministério Público de envolvimento em suposto pagamento de propina em troca de créditos tributários a empresas. A ação dos agentes ocorreu há duas semanas e um de seus filhos chegou a ser preso. 

Azambuja, mesmo com o episódio, continua liderando a corrida e mantém chances de vencer no primeiro turno. Pelo Ibope do último dia 24/09**, ele tem 40% das intenções de voto. O segundo colocado, Juiz Odilon (PDT), aparece em segundo, com 29%. Outros quatro candidatos somam, juntos, 13%.

Figura de proa no partido, e também um dos vice-presidente da legenda, o ex-governador de Goiás Marconi Perillo foi o mais recente tucano atingido por uma ação da Polícia Federal, na operação Cash Delivery. Imagens de volumes de dinheiro – quase R$ 1 milhão – correram o país. Perillo só não foi preso porque está no prazo da Justiça Eleitoral que proíbe prisões de candidatos 15 dias antes do pleito. A operação atingiu ainda o atual governador, também do PSDB, José Eliton, candidato à reeleição. Seu coordenador de campanha, Jayme Rincón, foi preso. 

LEIA TAMBÉM: Com desempenho fraco de Alckmin, PSDB discute liberação no segundo turno

O dinheiro foi encontrado na casa do policial militar Márcio de Moura, motorista de Rincón. Perillo se tornou réu em setembro agora, por corrupção passiva. Uma semana antes do episódio, pesquisa Ibope*** apontava ele líder numericamente na corrida para o Senado no estado, com 29% de intenções de voto, mas num empate técnico com três concorrentes: Jorge Kajuru (PRP), 28%; Vanderlan (PP), 28%; e Lúcia Vânia (PSDB), 26%.

Questionado em debates sobre esses escândalos que atingem aliados da cúpula de seu partido, Alckmin tem lavado às mãos. “Tudo tem que ser apurado e cada um que responda por seus atos” – afirmou o presidenciável do PSDB.

*Pesquisa realizada pelo Ibope de 24/set a 26/set/2018 com 1.204 entrevistados (Paraná). Contratada por: SOCIEDADE RADIO EMISSORA PARANAENSE SA / TV PARANAENSE, REDE PARANAENSE . Registro no TSE: PR-07128/2018. Margem de erro: 3 pontos percentuais. Confiança: 95%. *Não sabe / Não respondeu. OBS: A pesquisa está sendo impugnada por representação eleitoral em razão de alegadas discrepâncias técnicas concernentes à estratificação do eleitorado.

**Pesquisa realizada pelo Ibope de 21/set a 23/set/2018 com 812 entrevistados (Mato Grosso do Sul). Contratada por: TELEVISAO PONTA PORA. Registro no TSE: MS-03695/2018. Margem de erro: 3 pontos percentuais. Confiança: 95%. *Não sabe / Não respondeu.

***Pesquisa realizada pelo Ibope de 18/set a 20/set/2018 com 812 entrevistados (Goiás). Contratada por: TELEVISAO ANHANGUERA. Registro no TSE: BR-09138/2018. Margem de erro: 3 pontos percentuais. Confiança: 95%. *Não sabe / Não respondeu.

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: