Da prisão, Lula manda Haddad adiantar ataques contra Bolsonaro

De dentro da cela especial da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, o ex-presidente Lula mandou adiantar uma estratégia que deveria ficar só pro segundo turno: começar a briga com Jair Bolsonaro (PSL). 

O líder petista, que dá as cartas da campanha mesmo preso, está satisfeito com a rapidez da transferência de seus votos para Fernando Haddad, que o substituiu na cabeça da chapa petista. E tem certeza: o PT está no segundo turno. 

Garantir essa herança seria a prioridade do partido até o fim do primeiro turno. Mas Lula acredita que essa estratégia já está cumprida. O ex-prefeito de São Paulo vem crescendo nas pesquisas de intenção de voto. Ajudará também o fato de que, na quarta (26), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou o uso, pelo PT, da frase, “Haddad é Lula”. O que garantirá a associação, pelo eleitor, de um ao outro, a intenção da legenda. 

Conforme apurou a Gazeta do Povo nos bastidores da campanha, a nova orientação foi dada a Fernando Haddad na segunda-feira (24) pelo próprio ex-presidente Lula, quando o ex-prefeito, na condição de advogado, esteve na PF. Para Lula, é preciso, agora, investir nos ataques à Bolsonaro, “surfando” no movimento popular que vem se formando e será intensificado neste fim de semana contra o candidato do PSL. 

DESEJOS PARA O BRASIL: Paz social, sem abandono dos necessitados

A reportagem conversou com mais de 15 pessoas que estiveram com Haddad entre segunda e quinta (27), para as quais ele relatou a conversa com Lula e deu orientações no sentido da nova estratégia. Algumas delas atuarão regionalmente, nas campanhas que fazem nos estados. Outras, da equipe interna, trabalharão nas peças publicitárias do petista que, talvez, já cheguem a ir ao ar a partir da semana que vem, ainda nesta primeira fase da campanha, com um novo tom. 

Até semana passada, a avaliação era que esse embate com Bolsonaro poderia ser deixado para os demais adversários e adotado apenas no segundo turno. O ex-presidente mudou de ideia ao tomar conhecimento de pesquisas internas que demonstram a migração de votos tradicionais do PT para o adversário em regiões, como periferias do Rio e São Paulo. Ao ver a crescente adesão às manifestações contrárias ao candidato do PSL, achou que seria boa ideia casar uma coisa com a outra.

Como deve ser? 

São vários os viés a serem explorados. A ideia é desconstruir o adversário, como os demais presidenciáveis têm feito – Geraldo Alckmin, por exemplo, ataca Bolsonaro em sua propaganda eleitoral quase diariamente -, com o uso de seu próprio discurso. Inicialmente, o PT quer tratar da questão de gênero. 

Haddad até então adotava um tom leve, brando e até cordial, segundo avaliação de interlocutores. “É parte de sua personalidade, mas também uma estratégia do Lula”, segundo uma das pessoas que conversou com a reportagem. “Agora, o Haddad vai partir pra cima, subir o tom”, completou. 

Já atentos à nova rota determinada pelo guru petista, Haddad e sua vice, Manuela D’Ávila (PCdoB), direcionaram críticas ao adversário do PSL num ato em São Paulo, na noite de terça (25), chamado de “Primavera das Mulheres”. Ao discursar, Manuela defendeu salários iguais para mulheres e homens. Haddad disse que vai criar “estímulos” a empresas que aderirem a políticas de valorização da mulher. 

Manifestações contra Bolsonaro

A intenção é surfar na onda das manifestações realizadas no sábado (29) em diversos estados e até fora do Brasil, organizada por mulheres que protestam contra Jair Bolsonaro. Outras campanhas, como de Guilherme Boulos (PSol) e Marina Silva (Rede), também aderiram ao movimento. 

“Íamos deixar os ataques contra ele [Bolsonaro] para o segundo turno. Mas devemos antecipar pra agora, porque é um momento em que ele está levando bomba de todo lado. Vamos aproveitar a onda, de forma moderada, por enquanto, com cuidado. Porque também não podemos nos desgastar”, explicou um outro petista, dessa vez na disputa ao Senado. 

LEIA TAMBÉM: Corrupção decide o voto? Saiba o que importa para o eleitor

“A ordem de Lula é clara: não pode descuidar de voto que estava garantido. Não pode ter voto roubado por aventureiro. Nessa última semana antes do primeiro turno estaremos nesses pontos estratégicos, nesses locais de risco, intensificando o nome de Lula, garantindo a transferência de voto, atacando o Bolsonaro, trazendo o nosso eleitor de volta”, contou um petista antigo no partido que participa diretamente do trabalho estratégico do PT. 

Passo a Passo 

A campanha petista foi dividida basicamente em cinco linhas de atuação: insistir no “Lula livre”, insistir na candidatura do ex-presidente, postergar o máximo possível a substituição de Lula, maximizar a transferência de votos de Lula para Haddad, atacar Jair Bolsonaro. 

O momento de iniciar cada etapa foi determinado essencialmente pelo ex-presidente Lula que, mesmo de dentro da PF em Curitiba, segue de olhos e ouvidos atentos a tudo que ocorre na campanha. 

Esse roteiro, inclusive, foi traçado por ele muito antes de ser preso, contaram à Gazeta aliados do petista. Ele tentou todos os instrumentos jurídicos – e continua – por sua liberdade, mas sabia da possibilidade de não concorrer este ano. 

Lula está preso na Superintendência da PF em Curitiba desde 7 de abril cumprindo pena de 12 anos e 1 mês por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Lava Jato, no caso do tríplex do Guarujá. 

Ele já teve inúmeros recursos negados em diversas instâncias judiciais. Há dois no Supremo Tribunal Federal (STF) aguardando análise. Porém, o presidente da Corte, Dias Toffoli, tem afirmado nos bastidores que não pautará nada referente ao caso do ex-presidente, nem demais assuntos polêmicos, até pelo menos março do próximo ano. Acredita que, assim, ajudará a garantir estabilidade durante a eleição e a transição.

MPF já reclamou de atuação política de Lula

Em um pedido para excluir a senadora Gleisi Hoffmann (PT) da lista de advogados de Lula, a força-tarefa da Lava Jato já havia alegado que Lula transformou a Superintendência da PF em comitê de campanha. “As visitas não têm por objetivo a defesa judicial do apenado, senão a de possibilitar por parte de Luiz Inácio Lula da Silva, a condução e a intervenção no processo eleitoral de quem materialmente está inelegível, transformando o local onde cumpre pena – a sede da Polícia Federal – , em seu comitê de campanha”, dizia a Lava Jato.”

Antes de lançar a candidatura a presidente da República, em Curitiba, Haddad se reuniu com Lula na PF. O ato que marcou a oficialização de Haddad como cabeça de chapa foi realizado em frente à Superintendência e atrasou porque, ao chegar ao local, o candidato foi direto falar com Lula, antes de discursar aos manifestantes que o esperavam. Desde o início de julho, Haddad já visitou Lula 14 vezes na cadeia, segundo levantamento do jornal O Estado de S. Paulo.

LEIA MAIS: PT desafia decisão do TSE e divulga santinhos com ‘Lula presidente’ 

Haddad tem por hábito visitar o ex-presidente na cadeia toda segunda-feira. Nesta semana, ele estará em Curitiba novamente. A agenda do candidato prevê o tradicinal encontro com Lula pela manhã e depois seguir para uma caminhada com apoiadores pelo calçadão rua XV de Novembro. A assessoria do candidato ainda não tem os horários em que ele chegará na Polícia Federal e nem o momento exato da caminhada. De concreto, só que a concentração terá início às 11h na Praça Santos Andrade.

Às 15h, firmará compromissos com as lideranças dos sindicatos de trabalhadores do Paraná. O evento foi organizado pela Força Paraná e faz parte do projeto “Eleições 2018: o Brasil tem jeito”, que também já teve a presença do candidato a presidente Ciro Gomes (PDT).

DESEJOS PARA O BRASIL: Democracia aprofundada, com uma política moralmente exemplar

Será a primeira agenda do candidato do PT, em Curitiba, após sua candidatura ter sido protocolada no TSE. Em agosto, ele participou de um evento no centro de Curitiba, mas ainda como porta-voz do ex-presidente Lula e sem a companhia de sua vice, Manuela D’Avila (PCdoB).

Haddad vem ao sul empoderado pela última pesquisa Ibope, na qual passou de 11% das intenções de votos, para 19%, considerando apenas os três estados: Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: