Em final de semana polarizado, Bolsonaro mostra capacidade de reação rápida

Enquanto os opositores do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) ainda comemoravam as manifestações do movimento “EleNão”, ocorridas no sábado (29), apoiadores do capitão da reserva tomaram as ruas menos de um dia depois, neste domingo (30), mostrando a capacidade de reação da campanha de Bolsonaro e reforçando a tendência de polarização a uma semana do primeiro turno das eleições, que ocorre no próximo domingo (7). 

O movimento “EleNão”, que nasceu na internet e reúne, em um grupo do Facebook, 3,8 milhões de mulheres, levou milhares de manifestantes às ruas de 26 estados brasileiros. Embora ontem mesmo apoiadores de Bolsonaro já tenham se manifestado, a reação mais forte veio neste domingo, na forma de atos públicos, carreatas e buzinaços. Não houve registro de violência em nenhum dos dias. 

Militância e apoiadores do capitão da reserva se organizaram pelas redes sociais e por aplicativos de mensagens e foram às ruas de pelo menos 25 cidades brasileiras, com o mote “EleSim” e “PT não”. A campanha de Bolsonaro tem destacado que o apoio ao “EleNão” fortalece o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, que vem exibindo uma forte tendência de crescimento nas pesquisas de intenção de votos e se aproxima do candidato do PSL

Pelo menos nove capitais e 16 cidades registraram manifestações de apoio a Bolsonaro. Em São Paulo, manifestantes fecharam três quadras da Avenida Paulista, o mais tradicional local de manifestações da cidade, e se dispersaram por volta das 17h, quando começou a chover. Eles disseram que o horário do encerramento tinha sido acordado com a polícia. O candidato à vice da chapa de Bolsonaro, general Hamilton Mourão (PRTB), chegou a ser anunciado, mas não apareceu. 

Em discurso, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL) e o candidato ao Senado Major Olímpio (PSL) criticaram o PT e instaram eleitores de João Amoêdo (Novo), Alvaro Dias (Podemos), Geraldo Alckmin (PSDB) e Henrique Meirelles (MDB) a se unirem à candidatura de Bolsonaro, na esperança de uma vitória no primeiro turno. Um telão montado ao lado do carro de som transmitiu uma mensagem em vídeo gravada por Bolsonaro:

No vídeo, Bolsonaro ataca o PT e o PSDB e prevê uma vitória no primeiro tuno. “Vamos ganhar essas eleições no primeiro turno. A diferença será tão grande que será impossível qualquer possibilidade de fraude”, declarou. “Queremos um presidente com isenção, que tenha liberdade para indicar um time de ministros técnicos e competentes e comprometidos com os interesses do povo brasileiro e não de partidos políticos”, afirmou ainda.

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL) também criticou a campanha petista. “Haddad vai dar indulto ao Lula. Se ganhar, vão mandar nosso dinheiro de impostos para Cuba. Nesta eleição, o Brasil vai decidir se quer se igualar ao PCC (Primeiro Comando da Capital) e receber ordens de presidiários”, afirmou. “Vamos fechar essa eleição ainda no primeiro turno. Nunca foi tão fácil votar na vida”, disse ainda. 

Carreatas

Uma parte das manifestações consistiu em carreatas e buzinaços, como foi o caso de Curitiba, Brasília e Recife. Foram registrados atos também em Maceió (AL), Manaus (AM), Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS), Belém (PA), Florianópolis (SC) e Cuiabá (MT). Cidades menores, como Niterói (RJ), Foz do Iguaçu (PR), Tubarão e São José (SC) e Uberlândia (MG), além de 11 cidades do interior paulista, também tiveram protestos favoráveis ao candidato do PSL. 

Em Curitiba, mais de uma carreata foi registrada na tarde deste domingo. Carros passaram pelo Centro e Centro Cívico e foram, ao fim do dia, para o Parque Barigui, o parque mais popular da cidade. No trajeto, diversas ruas e avenidas chegaram a ser bloqueadas pelos manifestantes — incluindo a BR-277, no acesso ao parque. 

Em Brasília, o ato ocorreu por volta do meio-dia, com a participação de 10 mil a 12 mil carros, segundo a Polícia Militar. Para a maioria das cidades, no entanto, não houve divulgação do número de participantes.

No Twitter, Bolsonaro agradeceu as manifestações e divulgou vídeos de carreatas e manifestações em Petrópolis (RJ), Sobral (CE), Niterói (RJ), Recife (PE), Cabo Frio (RJ), Maceió (AL), Salvador (BA), Belo Horizonte (MG), Teresina (PI), Anápolis (GO), Vitória (ES), Belém (PA) e Macapá (AP). A hashtag “SomosBolsonaro17” ficou entre as mais comentadas do Twitter durante toda a tarde.

Polarização

A tendência captada pelas pesquisas de intenção de voto é a de que Bolsonaro e Haddad passem para o segundo turno. A última pesquisa CNT/MDA*, divulgada neste domingo (30), mostra um empate técnico entre Bolsonaro, que aparece com 28,2% das intenções de voto, e Haddad, que aparece com 25,2% das intenções de voto. Na sexta-feira (28), o Datafolha** divulgou sondagem em que o candidato do PSL tem 28% e o candidato do PT, 22%.

Bolsonaro tem mais intenções de voto entre os homens. Segundo a última pesquisa Ibope***, o deputado tinha 36% das intenções de voto entre os homens e 18% entre as mulheres, que são as mais indecisas até o momento neste período eleitoral. Foi neste filão que o movimento “EleNão” cresceu nas redes sociais, antes de sair às ruas, buscando evitar que as eleitoras indecisas votem no candidato do PSL.

O Ibope também mostra uma clivagem regional nas intenções de voto que se refletiu nos atos ocorridos neste final de semana. Enquanto o candidato do PT lidera nos estados do Nordeste, Bolsonaro está na frente nas outras quatro regiões do país. 

*Pesquisa realizada pelo CNT/MDA de 27/set a 29/set/2018 com 2.002 entrevistados (Brasil). Contratada por: CONFEDERACAO NACIONAL DO TRANSPORTE. Registro no TSE: BR-03303/2018. Margem de erro: 2,2 pontos percentuais. Confiança: 95%.

** Pesquisa realizada pelo Datafolha de 26/set a 28/set/2018 com 9.072 entrevistados (Brasil). Contratada por: EMPRESA FOLHA DA MANHA e REDE GLOBO. Registro no TSE: BR-08687/2018. Margem de erro: 2 pontos percentuais. Confiança: 95%.

*** Pesquisa realizada pelo Ibope com 2.506 entrevistados (Brasil) entre 22 e 23 de setembro. Contratada por: REDE GLOBO E O O ESTADO DE S.PAULO. Registro no TSE: BR-06630/2018. Margem de erro: 2 pontos percentuais. Confiança: 95%. 

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: