Qual o efeito das acusações de Palocci na campanha de Haddad?

Passado primeiro impacto da divulgação do conteúdo da delação premiada feita pelo ex-ministro Antonio Palocci, que atuou nos governos Lula e Dilma Rousseff, a pergunta que ficou no ar é: que efeito terá as acusações do ex-petista no primeiro turno das eleições, que acontece no próximo domingo (7)? Outra questão: isso pode influenciar de forma negativa na campanha do petista Fernando Haddad? E se for beneficiar alguém, que candidato seria?

Para o professor de ciência politica da Uninter Doacir Quadros, não haverá impacto negativo da colaboração de Palocci na campanha petista. “Parece que o eleitor do Haddad é o eleitor que identifica no Lula o momento em que teve desempenho de governo favorável. O eleitor deve estar fazendo o seguinte cálculo: apesar de estar envolvido em corrupção, ainda assim no governo do Lula eu tive um desenvolvimento econômico satisfatório”, completa Quadros.

LEIA MAIS: 6 revelações de Palocci no primeiro depoimento da delação na Lava Jato

No eleitor contrário ao PT, segundo o cientista político, a delação de Palocci apenas confirma uma decisão que já estava tomada de não votar no partido.

Para Quadros, o efeito mais importante da divulgação do primeiro depoimento de Palocci é para a situação jurídica do ex-presidente Lula. “Parece que essa manchete de hoje inviabiliza cada vez mais a possibilidade de uma soltura de Lula”, diz.

Repercussão política

Integrante da cúpula do PT, o ex-ministro Gilberto Carvalho criticou a atitude do juiz Sergio Moro de divulgar o teor da delação há poucos dias da eleição e afirmou que o partido já está “acostumado” com esses “ataques” em momentos importantes. Para ele, foi um gesto de desespero do juiz, para evitar a vitória do PT nestas eleições. 

“Não é nenhuma surpresa esse juiz abrir a quebra de uma delação na antevéspera de uma eleição. Estamos acostumados com isso. Desse juiz podemos esperar tudo, parcialidade, perseguição. É mais um artifício para conter nossa caminhada. Foi um gesto de desespero, uma tentativa de se criar um fato fora do debate eleitoral”, disse. 

LEIA MAIS: Defesas de Lula e Dilma garantem que “Palocci mentiu de novo” e fazem acusações a Moro

No despacho que tornou públicos trechos da delação, Moro afirmou que a medida permite a “ampla defesa dos acusados” e rechaçou o risco de exploração política do processo. Para o magistrado, dar publicidade a esse depoimento específico, que trata do loteamento de cargos na Petrobras e da arrecadação ilícita de recursos pelo PT, não traz riscos às investigações e ajuda a instruir os autos.

Moro também afirmou que não vislumbra risco de exploração política do processo, como argumentou a defesa do ex-presidente Lula – que pedia a suspensão da ação durante o período eleitoral.

“É tudo gravíssimo”, diz tucano

O secretário-geral do PSDB, o deputado federal Marcus Pestana, classificou como “gravíssimo” as denúncias e que não entende como até agora, apesar de ter passado por tantos escândalos, o PT ainda tem os votos de parcela da sociedade. 

“É tudo gravíssimo. Impressionante como o PT passa incólume a isso tudo. Eles produziram o maior escândalo do Brasil, e um dos maiores do mundo, e, surpreendentemente o Lula continua com esse nível de popularidade e alavancando o Haddad”, disse Pestana, que tem alguma expectativa de que a exploração do conteúdo da delação do ex-ministro petista altere o quadro eleitoral. 

VEJA TAMBÉM: Haddad fala em regular meios de comunicação para garantir liberdade de imprensa

“Veja só. Os dois principais ministros dos governos Lula e Dilma, que são o Palocci e o José Dirceu, estão presos. Sim, o Dirceu obteve uma decisão que o soltou mas pode voltar para cadeia a qualquer momento. E ele foi preso duas vezes, em dois escândalos. Espero que a população brasileira reflita sobre essa situação”. 

Carvalho afirmou que o partido estava esperando “algo assim” nesse momento e que sabiam que não seria fácil mesmo. 

“E virá mais coisa por aí. Até o dia 28 (votação do segundo turno) vem coisa. Mas quem já sofreu tudo que sofremos, não tem o direito de ter medo dessas coisas. O máximo que fizeram foram prender nossa principal referência, que é o presidente Lula. Nunca esperamos que fosse um passeio. Será difícil e dificultarão ao máximo”. 

Carvalho afirmou que o partido não tem receio das acusações do Palocci, que são velhas e não tem prova de nada do que fala. 

VEJA TAMBÉM: Facada contra Bolsonaro não trouxe nem tirou votos, diz presidente do Ibope

“Tudo o que o Palocci falou são palavras ao vento. Estamos tranquilo. Serve para fazer um carnaval, mas não para mudar cabeça do eleitor. É rigorosamente mais do mesmo. E o Palocci querendo sua liberdade para viver com os milhões que ele acumulou de maneira ilegal”. 

Para Pestana, Palocci revelou o “submundo” dos governos do PT. “Um caixa dois superior a R$ 400 milhões e uma participação intensa do Palácio do Planalto. Não era um esquema periférico, mas uma ação deliberada de corrupção, de propina para bancar a hegemonia política e o enriquecimento ilícito. É estranho. A opinião pública clama por uma política sem corrupção mas ainda confere alguma confiança no PT. Espero que mude”.

Mais na Gazeta do Povo!

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: