Portos cobram prioridades para o próximo governo

Os desafios do setor logístico e portuário parecem ainda obstáculos sem solução aparente para o próximo governo ou, talvez, um tema ainda pouco presente no discurso dos presidenciáveis. Frente a esse cenário, a Associação de Terminais Portuários Privados (ATP) preparou um manifesto com uma série de medidas estruturantes aguardadas pelo setor portuário privado, e que deverão garantir mais investimentos e contribuições para a retomada do crescimento nacional.

Os Terminais de Uso Privado (TUP) do País, responsáveis por 67% da movimentação de cargas, utiliza 100% de capital privado e suporta os riscos inerentes ao mercado para atuar na prestação de serviços, relativos às movimentações das produções de minério, combustíveis, siderurgia, soja, milho e de contêineres. Segundo o diretor-presidente da ATP, Murillo Barbosa, só nos últimos cinco anos, os TUP investiram mais de R$ 21 bilhões para a modernização e melhorias das operações em 78 terminais, em todo o país.

Para Barbosa, na contramão desse processo, o setor sofre com as carências da matriz logística, refletidas no alto custo do transporte da produção, majoritariamente rodoviário, afetando a dinâmica econômica e a oscilação do custo-Brasil. “Enquanto, de um lado, temos empresas privadas que investem seu capital, enfrentando riscos, para prestar serviços ao Brasil, com eficiência e modernização, de outro, a oferta precária de infraestrutura, que compromete a lógica de distribuição do produto brasileiro e prejudica a dinâmica econômica”, avalia.

Mais em http://informativodosportos.com.br/portal/2018/10/04/portos-privados-cobram-prioridades-para-atuacao-do-proximo-governo/

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: