Linha férrea que liga Baixada Santista e Vale do Ribeira tem definição distante

Trem turístico de passageiros, Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) ou trem de carga. Nesta quinta-feira (29), uma audiência pública, na Câmara dos Deputados, discutiu a reativação do ramal ferroviário que liga a Baixada Santista ao Vale do Ribeira e pertence, atualmente, à Rumo Logística. A definição, entretanto, ainda está longe de sair.
O debate foi chamado pelo deputado federal Samuel Moreira (PSDB), representante do Vale, e teve a presença do também deputado João Paulo Papa (PSDB), do prefeito de Pedro de Toledo Eleazar Muniz (DEM), de representantes da ANTT, da Rumo Logística (antiga ALL), concessionária da linha, e da Procuradoria da República.
“Na minha ótica, até Peruíbe, a oportunidade é desenvolver um transporte de passageiros de qualidade”, disse Papa.
Por telefone, o prefeito de Praia Grande, Alberto Mourão (PSDB) também defendeu vida nova para a ferrovia. “É importante não somente preservar este espaço como recuperá-lo e discutir implantar nesta faixa a permanência do modal do transporte de cargas por trilho e também de passageiros. Desativando isto, teremos consequências não somente de possíveis invasões nestas faixas, como também a extinção da possibilidade de desenvolvimento regional”, diz.

Entenda o caso
A linha, com 231 quilômetros de extensão, existe há 105 anos. No começo, transportou carga do Vale do Ribeira até o Porto de Santos.
Atualmente, o trecho entre o Bairro Samaritá, em São Vicente, e a cidade de Cajati está desativado e sucateado, como a Reportagem constatou em reportagem publicada em agosto.
O ramal pertence à Rumo Logística, que já demonstrou interesse em devolvê-lo ao Governo Federal, por entender que não há viabilidade econômica para explorá-lo. O caso tramita na ANTT. A empresa, entretanto, teria de pagar cerca de R$ 200 milhões como indenização.
Se isso acontecer, caberá ao Governo Federal decidir o que fazer com a ferrovia: explorá-la ou entregar para outra empresa privada.
João Paulo Papa considera que outras audiências públicas devem ser realizadas para se chegar a uma conclusão. Ele quer, entretanto, que isso aconteça na Baixada para que representantes dos municípios locais possam participar.

Fonte: A Tribuna
Data: 30/11/2018

Mais...


Leia Também:
Anterior:

Próxima: