SuperVia lamenta morte de condutor e promete apurar causas do acidente em 30 dias

Foto: captação de imagem de vídeo O Globo

Maquinista Rodrigo da Silva Ribeiro Assumpção não resistiu ao choque dos trens, e faleceu às 15h:15. Empresa assinou TAC com MP para reparar danos provocados pelo acidente

ALEXANDRE PELEGI

A SuperVia promete apurar em até 30 dias as causas do grave acidente que provocou a morte do maquinista e causou ferimentos em outras oito pessoas na manhã desta quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019.

Como noticiado pelo Diário do Transporte, dois trens se chocaram na manhã de hoje na Estação São Cristóvão, zona Norte do Rio de Janeiro. Com o impacto, uma das composições descarrilou.

A SuperVia, concessionária que administra o sistema ferroviário na região metropolitana do Rio de Janeiro, informou que o acidente ocorreu às 06h:55, e envolveu uma composição do ramal de Deodoro e outra de serviço.

Bombeiros foram chamados para atender o maquinista de uma das composições, que ficou preso entre as ferragens por conta do violento choque entre as composições. Relembre: Dois trens da Supervia se chocam em São Cristóvão

Após sete horas de resgate, o maquinista não resistiu e veio a falecer. Ele chegou a ser retirado as ferragens, mas já inconsciente. Os socorristas tentaram reanimá-lo com massagem cardíaca, mas sem sucesso. Relembre: Maquinista não resiste e morre sete horas após acidente de trens da SuperVia

Há pouco, a SuperVia divulgou um comunicado onde lamenta o ocorrido e promete apurar as causas do acidente. Leia a nota na íntegra:

A SuperVia lamenta o falecimento do maquinista Rodrigo da Silva Ribeiro Assumpção, ocorrido hoje, por volta das 15h30, após mais de oito horas de atendimento por parte do Corpo de Bombeiros. Rodrigo era o maquinista de um dos trens, que se chocaram nessa manhã, por volta das 6h50, na estação São Cristóvão, do ramal Deodoro, no Rio de Janeiro.

Rodrigo da Silva Ribeiro Assumpção era funcionário da SuperVia desde 2011, quando passou por vários treinamentos para assumir a função de maquinista, que desempenhava havia cinco anos. Ele era casado e tinha um filho. A SuperVia está prestando toda assistência à família.

No acidente, oito pessoas ficaram feridas e foram encaminhadas aos hospitais da região. De acordo com o Corpo de Bombeiros, a maioria delas já foi liberada.

Os dois trens envolvidos no acidente, assim como a linha 1, do ramal Deodoro, estavam equipados ATP (Automatic Train Protection), sistema que reforça a sinalização.

A concessionária instaurou uma sindicância, que vai apurar as causas do acidente no prazo de 30 dias.

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

Na mesma nota a SuperVia informada que foi procurada pela Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, após o que assinou hoje o Termo de Ajustamento de Conduta “como forma de buscar a reparação individual e coletiva dos danos provocados pelo acidente“.

De acordo com o TAC, informa a concessionária, as vítimas terão 120 dias para buscar a reparação “e precisam comprovar o dano ou terem procurado atendimento em uma unidade pública de saúde, entre hoje e amanhã (28/02)“.

Prossegue a nota:

Para mais informações, as vítimas podem entrar em contato por meio do SuperVia Fone (0800 726 9494) ou da Defensoria Pública, pelo número 21 2868 2100/ramal 297 ou pelo email coletivadefensoria@gmail.com. A SuperVia também vai distribuir 30 mil bilhetes para os passageiros do ramal Deodoro, nos próximos 30 dias, como medida de reparação coletiva e passará a integrar um grupo de prevenção de acidentes, a ser criado pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro”.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Mais em https://diariodotransporte.com.br/2019/02/27/supervia-lamenta-morte-de-condutor-e-promete-apurar-causas-do-acidente-em-30-dias/



Leia Também:
Anterior:

Próxima: