Interventor do BRT do Rio de Janeiro rebate questionamentos das empresas

Consórcio critica ausência de resultados efetivos após intervenção

JESSICA MARQUES

Em nota, o interventor da Prefeitura do Rio de Janeiro no BRT, Luiz Alfredo Salomão, rebateu os questionamentos feitos pelas empresas, por meio do Consórcio BRT.

As operadoras do sistema apontam que não houve resultados efetivos após a intervenção ou um cronograma de ações estabelecido.

O interventor do BRT afirma, em nota, que as empresas querem impedir que a intervenção coloque luz no funcionamento do sistema de distribuição do dinheiro das passagens do transporte.

Além disso, por meio da assessoria de imprensa, o interventor justifica que a ação era necessária por conta do péssimo serviço prestado pelas empresas do Consórcio BRT.

Confira a nota, na íntegra:

A reação é das empresas operadoras do BRT que temem a abertura da ‘caixa preta’ do sistema. Isto é, querem impedir que a intervenção desvende os mecanismos de distribuição do dinheiro das passagens. Por isso, tentam manter na direção seus representantes anteriores, que foram destituídos, com reconhecimento judicial. E ameaçam a população com a retirada de ônibus de circulação. Se fizerem isto, serão responsabilizados pela Prefeitura na Justiça.

Em 40 dias não é possível remontar um sistema mal planejado e mal executado há sete anos. A intervenção não só apresentou para as empresas um plano piloto, como já começou a executá-lo, com obras de fresagem e recapeamento, início de uma licitação do projeto para refazer toda a pista da Transoeste, criação de uma diretoria de Segurança e uma força-tarefa para enfrentar o calote e o vandalismo e a fiscalização nas garagens para verificar se há ônibus que possam circular e estão sendo sonegados.

A intervenção aconteceu porque os passageiros não aguentavam mais o péssimo serviço prestado pelo Consórcio BRT. Em apenas 40 dias também não se poderia corrigir os inúmeros defeitos da operação.
Não há nenhum político trabalhando no grupo da intervenção, como alegam os empresários.”

Confira os questionamentos, na íntegra:

https://diariodotransporte.com.br/2019/03/14/consorcio-brt-rio-questiona-medidas-de-interventor/

Conforme noticiado pelo Diário do Transporte, a prefeitura do Rio de Janeiro informou nesta quarta-feira, 13 de março de 2019, que as três concessionárias de ônibus que constituem o Consórcio BRT – Internorte, Santa Cruz e Transcarioca – decidiram que não reconhecerão a decisão judicial que manteve o afastamento do executivo Jorge Dias da presidência do Consórcio.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/03/13/empresas-de-onibus-do-rio-nao-reconhecem-decisao-da-justica-que-afastou-presidente-do-consorcio-brt/

Jorge Dias foi afastado pelo interventor da Prefeitura no BRT, Luiz Alfredo Salomão, nomeado pelo prefeito Marcelo Crivella em 29 de janeiro.

Relembre: Em ofícios sobre intervenção no BRT, prefeitura do Rio diz que Consórcios perderam a capacidade de operar o sistema

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Mais em https://diariodotransporte.com.br/2019/03/15/interventor-do-brt-do-rio-de-janeiro-rebate-questionamentos-das-empresas/



Leia Também:
Anterior:

Próxima: