Debaixo do carro: mecânicos destacam os diferentes problemas ocasionados por ruídos na suspensão

Nem sempre fazer o diagnóstico de um defeito no veículo na hora da manutenção é uma tarefa fácil, especialmente, em sistemas mais complexos como o de suspensão que é composto por diversos componentes, entre eles, amortecedores, molas, batentes, coxins e bandejas. Barulhos provenientes do sistema de suspensão podem ser ocasionados por vários motivos, como folgas, aplicação de peças de má qualidade ou inadequadas ao modelo do veículo e até mesmo montagem incorreta. Eduardo Carvalho, reparador de Recife/PE, participante da promoção Feras da Oficina, plataforma criada pela Nakata para que os profissionais possam publicar dicas de manutenção e concorrer a prêmios, comenta que um cliente reclamou de forte barulho na suspensão ao trafegar por lombadas mesmo já tendo trocado amortecedores, coxins, batentes e as duas bandejas. Após análise minuciosa do sistema de suspensão, verificação de ausência de folgas e desmontagem dos componentes, Carvalho identificou que os amortecedores haviam sido recondicionados e não substituídos. “A resistência não ficou igual e ao passar em um desnível na via não suportavam o peso e batiam com força”, ressaltou.

Em outra dica do Feras da Oficina, Leonardo da Silva, da Auto Mecânica São Gabriel, de Marília/SP, explicou que o cliente ouvia rangidos na suspensão dianteira na Toyota Hilux. Após análise, Silva detectou que as buchas localizadas na parte inferior dos amortecedores estavam estouradas. O problema foi resolvido substituindo o par de amortecedores dianteiros. O reparador lembra também que, ao trocar os amortecedores dianteiros da Hilux ou tiver que removê-los por algum motivo, no momento de apertar a parte inferior na bandeja, onde se localiza a bucha, o correto é fazer o aperto com o veículo já no chão. Assim, a bucha é apertada já na sua posição correta de trabalho, o que pode ajudar a garantir a durabilidade da peça.

Pioneira no desenvolvimento de amortecedores pressurizados, os amortecedores da Nakata contam com sistema de vedação de alta resistência e tecnologia a gás. O gás nitrogênio à baixa pressão não deixa faltar óleo no ciclo de abertura e fechamento da haste, evitando os “vazios” ou falhas no acionamento, além disso, os materiais de borracha de elevada performance e de baixo atrito proporcionam maior resistência ao desgaste e às variações de temperatura.



Leia Também:
Anterior:

Próxima: